Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

E ninguém protesta contra a nova ocupação da Base Aérea de Beja?!

O acordo entre Portugal e da Coreia do Sul, para a utilização da Base Aérea de Beja “está em fase de ultimação”, a garantia foi dada por fonte próximo do Governo. Uma delegação de 12 militares da Força Aérea da Coreia do Sul esteve a semana passada em Beja. O acordo deve estar concluído até Março de 2012.

Leia aqui o resto da notícia.

 

Acho curiosas as reacções (ou falta delas) das forças políticas, das autarquias e outros agentes da região. Não contestam que voltemos a ter forças militares estrangeiras (mesmo que só para treinos, o que nos deve manter sempre alerta) na Base de Beja, apenas fazem contas ao se que pode ganhar com isso. Parece que temos a região à venda…

Longe vão os tempos em que algumas forças se mobilizavam e mobilizavam as populações para protestar contra estas ocupações…

Mudaram-se os tempos mudaram-se as vontades... de António Sebastião...

António Sebastião salienta a “valia e a importância” da reunião com o secretário de Estado das Obras Públicas, Transportes e Comunicações.

O presidente da Assembleia Distrital refere que “numa atitude de total clareza, abertura e frontalidade”, Sérgio Monteiro explicou “que a supressão ou diminuição do ritmo das obras no IP2 e IP8 se devem exclusivamente a dificuldades de financiamento da empresa concessionária (Estradas da Planície), não havendo por isso qualquer responsabilidade do Governo, que tem envidado esforços para que aquelas obras retomem o seu ritmo”.
Relativamente ao Aeroporto de Beja António Sebastião considera que o actual Governo herdou uma “total ausência de estratégia para aquela infra-estrutura aeroportuária”.

António Sebastião sublinha que “muitas das situações ficarem clarificadas foi muito positivo”.

O presidente da Câmara de Almodôvar considera “importante” o Secretário de Estado ter enquadrado a solução para os projectos estruturantes para o Alentejo na situação que o País está a viver.

A (ir)responsabilidade política

A crise que estamos a viver - e que se vai agravar ainda -, não surgiu de geração espontânea. Tem causas e responsáveis.

Nos últimos anos os poderes políticos democráticos têm vindo a ser dominados por poderes difusos sem representação nem legitimação democráticas. Em consequência disso, a democracia representativa tem vindo a degradar-se, perdendo valor para cada vez mais pessoas, o que é demonstrado pelos crescentes níveis de abstenção. Votar para quê se depois de eleitos fazem o que querem - muitas vezes, exactamente o contrário do que prometeram -, é a questão que cada vez mais pessoas colocam.

Desta forma – com a subordinação dos poderes políticos a outros poderes, mais ou menos, difusos e o desinteresse pela política e a progressiva abstenção eleitoral das pessoas -, não é de estranhar a crescente descredibilização que atingem os políticos, que, muitos deles, não fazem muito para contrariar. Basta lembrar as inúmeras promessas de crescimento económico e desenvolvimento feitas e os anúncios do fim ou do princípio do fim da crise, quando tudo aponta para o seu agravamento.

É neste quadro que ouvimos repetirem que vivemos acima do que podemos e que, por isso, são necessárias medidas de austeridade e que os sacrifícios têm de ser feitos por todos. Alguns, cuja consciência social lhes pesa mais, ainda avançam que os sacrifícios devem ser pedidos com equidade... Parece, ao ouvi-los, que vivemos em autogestão, sem governos e sem políticas, como se estes e estas não tivessem quaisquer responsabilidades na situação que estamos a viver nem nas suas causas.

Se vivemos acima das nossas possibilidades é porque permitiram que assim acontecesse, ou melhor, é porque nos desafiaram a fazê-lo. Mas se vivemos acima das nossas possibilidades existem muitos que vivem abaixo das suas necessidades, mesmo das mais básicas, e das razões porque tal acontece fogem como o diabo da cruz os principais responsáveis.

O problema não se resolve apenas com mais equidade na distribuição dos sacrifícios – porque há muita gente que já os faz no limite (ou mesmo ultrapassando-os) da dignidade do ser humano -, mas sim com uma maior equidade na repartição da riqueza. Se em vez da maior parte da riqueza produzida ficar para uns poucos, passar a ser melhor repartida, ficando a maior parte para quem a produz, a produção nacional crescerá mais e mais rapidamente, dinamizando a economia nacional, porque aquela maior parte da riqueza produzida servirá para satisfazer necessidades mais básicas, não sendo aplicada, como está a ser em “off shores” e na economia virtual ou de casino. E, desta forma, serão mais eficazmente combatidos o défice e, mais importante, a dívida externa.

Mas mesmo que, para além dessa mudança radical, só queiram usar paliativos para enfrentar a crise – tentando controlar o défice através da austeridade sem promoção do crescimento económico -, os políticos terão de agir mais e prometer e anunciar menos medidas, o que não tem acontecido até aqui.

Mesmo a nível local, apesar dos significativos cortes aplicados às finanças locais, pelo menos, nos últimos três orçamentos de Estado, parece que a generalidade dos autarcas não quiseram enfrentar a situação e continuaram a agir como se tudo continuasse como dantes. Raros foram os que, para enfrentar a nova realidade, fizeram novas opções estratégicas e reorientaram as políticas e as práticas das suas autarquias. A maioria optou por se queixar das novas restrições orçamentais, embora mantendo as mesmas orientações e práticas, como se não lhes competisse introduzir mudanças na estratégia, nos projectos e no modelo gestionário, envolvendo nisso os trabalhadores e as populações.

Penedo Gordo, 02.12.2011

Publicado na revista Mais Alentejo, nº 108.

Comentários recentes

  • Anónimo

    Deixo aqui um post que retirei do Facebook, de um ...

  • Anónimo

    Não concordo. Como bem diz, dada a manifesta incap...

  • Anónimo

    Esta questão tem acontecido com a conivência de vá...

  • Anónimo

    Lixo e buracos nas ruas e estradas constituem a im...

  • Anónimo

    Uma gestão camarária que nem do lixo dá conta!Quan...

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds