Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

Deitar fora a memória

Quando deitamos papéis fora – principalmente documentos e apontamentos – é como se deitássemos fora partes das nossas memórias. Memórias que nunca mais se recuperam, tal como esses papéis. Mesmo quando deles sentirmos necessidade, fosse conveniente tê-los à mão ou, simplesmente, nos apeteça relembrar o que neles estava registado.

Para mim é sempre doloroso esse acto de me desfazer de papéis que fui guardando ao longo dos tempos e que guardavam memórias, retalhos da minha vida. Por isso, vou adiando até que posso desfazer-me deles. Mas a falta de espaço para os guardar e de tempo para os arrumar de forma organizada acaba por impor que deles me desfaça.

E nesse simples gesto são também bocados de mim – da minha vida, da minha memória – que deito fora. Desta vez, foram, principalmente, documentos e apontamentos (estes únicos, porque pessoais) do período do mandato em que fui vereador (na oposição) da Câmara Municipal de Alvito que deitei fora.

Comentários recentes

  • Anónimo

    As odalascas vêm com o calor...

  • Anónimo

    Alguém sabe em que dia desfila o imperador, as oda...

  • Munhoz Frade

    Um desabafo como este do Vitor Paixão é um momento...

  • Vitor Paixão

    O seu comentário atesta a minha razão. Atiram para...

  • Ana Matos Pires

    Como dizia o outro "seu grandessíssimo e alternadí...

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds