Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

É preciso fazermos o que está ao nosso alcance para tentarmos alcançar os nossos objectivos!

É frequente afirmarmos que o nosso principal objectivo na vida é sermos felizes. A partir de certa idade, por vezes, passamos a afirmar que esse objectivo é termos saúde, porque sem ela dificilmente seremos felizes.

Será que, apesar de termos tão para nós tão bem definido o nosso principal objectivo de vida agimos da melhor forma para o alcançarmos? Não colocamos primeiro, no nosso dia-a-dia, outros objectivos, que não sendo tão importantes como aquele, acabamos por lhe dar prioridade pelas mais diversas razões?

Ora, se assim é, como julgo ser para a maioria das pessoas, em relação ao principal objectivo das nossas vidas, como poderia ser diferente em relação a outros objectivos principais nas diferentes áreas das nossas vidas?

Não será isto que nos leva, a tantos e tantas vezes, a confundir a árvore com a floresta, ou seja, a valorizarmos o que, podendo ser importante, não é decisivo ou determinante para alcançarmos o que pretendemos?

A ser assim, talvez isso explique porque nos sentimos, com demasiada frequência, desiludidos ou defraudados relativamente aos resultados que vamos alcançando ou contribuindo para alcançar…

A responsabilidade de não conseguirmos ser felizes, de ter saúde ou de alcançar os objectivos que ambicionamos não é só e sempre dos outros, das situações por que passamos, é também – e quantas vezes principalmente -, nossa.

Só cinco dos 47 concelhos do Alentejo “fogem” à perda de população e atraem moradores

Apenas cinco dos 47 concelhos do Alentejo ganharam população na última década, tendo Sines registado a maior subida (5,03 %), segundo os dados preliminares dos Censos 2011 e em comparação com os Censos 2001.
Esta tendência positiva de Sines só é seguida pelos municípios de Campo Maior (aumento de 4,84 %), Viana do Alentejo (2,33 %), Vendas Novas (1,88 %) e Évora (0,98 %).

Comentários recentes

  • Anónimo

    Concordo em absoluto que o caminho não é por aí.

  • Anónimo

    O eterno problema das mentes pequeninas e poucochi...

  • Anónimo

    Queria dizer pelotão,mas saiu asneira,que não vi.

  • Anónimo

    Tem tudo para ganhar.

  • Anónimo

    A Margalha não entra na lista para favor número co...

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds