Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

Afinal as mudanças não geraram polémica em Viana do Alentejo

Escrevi aqui, há dias, que “A mudança de funções e de local de trabalho de alguns trabalhadores, …, ordenadas pelo actual Executivo da Câmara Municipal de Viana do Alentejo provocaram forte polémica”.

Ora, pelos comentários feitos aquele meu alvitre, parece que as referidas mudanças não geraram qualquer polémica, uma vez que, praticamente todos as apoiaram.

A ser assim, resta-me pedir desculpa à Câmara Municipal de Viana do Alentejo e a todos os que se sentiram afectados pelo meu alvitre, por ter dado destaque a um assunto que, pelos vistos, não o justificava.

PCP em força, hoje, no Distrito de Beja

Jerónimo de Sousa em acção de solidariedade com a luta dos mineiros da SOMINCOR

Esta noite, pelas 22h30, o Secretário-Geral do PCP estará num contacto em solidariedade com a luta dos trabalhadores das Minas Neves-Corvo, em Castro Verde.

Eurodeputados do PCP no Distrito de Beja

Também hoje, os deputados do PCP no Parlamento Europeu, Ilda Figueiredo e João Ferreira, estarão de visita ao Distrito de Beja para um conjunto de encontros e visitas com diversos agentes económicos e sociais, com o objectivo de aprofundar o conhecimento, informação e acção do PCP sobre as realidades locais.

Da parte da manhã  a eurodeputada Ilda Figueiredo deslocar-se-á a Moura para um contacto com os rendeiros da Herdade dos Machados e o eurodeputado João Ferreira participará em reuniões com a AABA e com a EDIA.

Ao início da tarde será realizada uma acção de contacto e esclarecimento com a população junto ao Hospital de Beja, que contará com a presença de Ilda Figueiredo.

Pelas 17h30 terá lugar uma Tribuna Pública, nas Portas de Mértola, em Beja, que marcará também o encerramento da campanha “Com o PCP, lutar contra as injustiças. Exigir uma vida melhor.”.

O dia terminará com um Debate Público, pelas 21h00, no Fórum Municipal de Castro Verde, intitulado “Lá se fazem, cá se pagam! O Tratado de Lisboa e a Estratégia 2020 – Ofensiva contra os direitos, os recursos e a soberania nacional.”.

É preciso tocar a reunir

Há vinte anos proferi, enquanto presidente da AMDB, uma declaração no acto de assinatura do contrato para a elaboração do PIDDBE – Plano Integrado de Desenvolvimento do Distrito de Beja, a que dei o título “Rompamos de vez com as falsas fatalidades de que temos sido vítimas!”.

Nessa declaração, apontei um conjunto de carências e problemas que afectavam o Distrito de Beja e que, tal como o título sugeria, não se tratavam de fatalidades.

O facto da região ser a mais atrasada, com cada vez menos gente, duplamente envelhecida, com pouca formação profissional e um nível de desemprego superior ao do resto do país e simultaneamente ter grandes recursos naturais, culturais e ambientais não se tratava de uma fatalidade.

Tal como não era por fatalidade que a região se tinha limitado a ser um corredor de passagem, a agricultura se encontrava atrasada, não era implementado o Plano de Rega do Alentejo nem eram aproveitados os múltiplos fins de Alqueva, o aeroporto de Beja não era utilizado simultaneamente para usos civis, as estradas que permitissem ligações fáceis Beja – Mértola – Vila Real de St.º António, Sines – Beja – Ficalho – Sevilha e Beja – Odemira – Costa Alentejana tardavam em ser arranjadas, a via-férrea que liga Beja ao Algarve não era melhorada e o ramal de Moura tinha sido encerrado, não era acrescentado mais valor às matérias-primas regionais, a riqueza aqui gerada não era aqui reinvestida, na distribuição dos fundos comunitários a nossa região foi a menos beneficiada, o PDR previu o agravamento da situação de subdesenvolvimento em que nos encontrávamos, a Regionalização continuava congelada, sendo exercidos os poderes que deverão caber às Regiões por órgãos desconcentrados do Poder Central sem ter em conta as aspirações das populações.

No passado dia 7 de Fevereiro, publiquei no meu blogue, Alvitrando, aquela minha intervenção, expurgada de alguns, poucos, pontos que, entretanto, ficaram desactualizados ou com menos interesse, com o objectivo de salientar como o tempo parece não passar nesta região, tal é o tempo que os problemas que a afectam levam a ser resolvidos.

Duas décadas passadas, com três Presidentes da República, oito governos do PS, PSD e PP e diversas maiorias na região, quer no Parlamento quer dos municípios, quase sempre do PS, e o que mudou desde então? É claro que algo mudou, mais que não fosse por força da inércia – o empreendimento de Alqueva e o Aeroporto de Beja estão quase prontos, embora, duas décadas (!!!) depois, ainda não estejam prontos e a funcionar – e outros projectos foram executados e existe outro dinamismo nalguns sectores. Mas no essencial, no que eram então os traços que caracterizavam esta região, o que mudou?

Tal como há vinte anos, parece evidente que não é por fatalidade que isto acontece, mas por (falta de) vontade política de quem detém o poder. E se é certo que os governos não têm mostrado serem amigos desta região também não deixa de ser verdade que os poderes regionais e locais não têm conseguido pôr de parte divergências naturais e unirem-se em torno do essencial. Como escrevi então: Para isso é preciso tocar a reunir e reunir todas as vontades, sem excepção, e definir um modelo de desenvolvimento integrado, com propostas e projectos concretos e prontos, definindo o papel que cabe a cada interveniente no processo e o maior denominador comum para o desenvolvimento da nossa região, pelo qual nos saibamos bater e lutar.

A vontade dos homens e as vontades dos poderes constituídos também se mudam. É isso que tem de acontecer e rapidamente para que o desenvolvimento e o progresso da nossa região e o bem-estar das nossas gentes se concretizem, sob pena de perdermos irremediavelmente esse comboio.

Alguns comentários feitos à publicação daquela minha declaração no Alvitrando, com a imediata e voluntarista disponibilização de algumas pessoas para participarem na elaboração de um do proposto “Caderno Cívico para a Revitalização do Alentejo”, revela existir uma outra postura de muita gente, que já não se acomoda perante as falsas fatalidades que nos atingem.

Alvito, 22 de Fevereiro de 2010

Publicado na revista Mais Alentejo nº 98.

Comentários recentes

  • Anónimo

    Concordo em absoluto que o caminho não é por aí.

  • Anónimo

    O eterno problema das mentes pequeninas e poucochi...

  • Anónimo

    Queria dizer pelotão,mas saiu asneira,que não vi.

  • Anónimo

    Tem tudo para ganhar.

  • Anónimo

    A Margalha não entra na lista para favor número co...

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds