Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

“Queremos virar a página e iniciar um ciclo de desenvolvimento sustentável”

A CDU voltou, ao fim de oito anos, a liderar os destinos da Câmara Municipal de Alvito. João Penetra, actual presidente, foi eleito, embora com maioria relativa, e aposta no empreendedorismo e no desenvolvimento económico, de modo a potenciar o progresso do concelho. O autarca acredita que o município não está condenado ao subdesenvolvimento e que este mandato será um grande desafio.

João Penetra está à frente da Câmara Municipal de Alvito e pretende gerir a maioria relativa apelando ao bom senso da oposição. Para o autarca, "o objectivo dos eleitos deve de ser o progresso e o desenvolvimento do concelho". As Grandes Opções do Plano e o Orçamento para 2010 já foram aprovados e as prioridades vão para a construção da escola básica integrada e para a captação de investidores, de modo a que se possam fixar empresas. João Penetra considera que "não se faz desenvolvimento em quatro anos, mas que pode dar-se um pontapé de saída muito forte". O autarca da CDU quer, assim, "construir os alicerces" e fazer ponto de honra dos três grandes pilares que definiu: desenvolvimento económico, apoio social e educação.

Esta é a introdução à entrevista feita ao actual presidente da Câmara Municipal de Alvito pela jornalista Bruna Soares (Fotos José Ferrolho), publicada na edição desta semana do Diário do Alentejo, que pode ler aqui.

Cister a Sul do Tejo.

O Mosteiro de S. Bento de Cástris e a Congregação Autónoma de Alcobaça (1567-1776) é o título do livro de livro de Antónia Fialho Conde, que é apresentado esta sexta-feira, às 18 horas, na Biblioteca Pública de Évora.

A autora é doutorada em História e mestre em Recuperação do Património Artístico e arquitectónico. É Professora Auxiliar do Departamento de História da Universidade de Évora, onde lecciona nas áreas científicas de História Moderna e de Património, participando habitualmente em eventos científicos de âmbito nacional e internacional nestas temáticas.

Que raio de sociedade é esta?

Em que os que têm tudo, menos rosto, já se sabe, depois de terem saqueado miseravelmente os bolsos do POVO se comprazem agora em roubar-lhe a dignidade?

Os nossos velhos, os nossos desprotegidos merecem mais, se não lhes conseguimos dar o conforto que merecem, ao menos o respeito que exigimos para nós, temos de exigir para eles, denuncia M. Sampaio, numa crítica à Segurança Social, que em Dezembro anunciou que os pagamentos das prestações sociais (abonos, desemprego, RIS) iriam ser pagos através de cheques não endossáveis.

A Segurança Social, mais uma vez, actuou com desmazelo, com sobranceria, num total desrespeito para com aqueles que deveria prioritariamente proteger.

Oposição cede a protesto dos trabalhadores do Município Nisa

O A Câmara Municipal de Nisa cedeu nas pretensões dos trabalhadores do município que exigiam a criação de lugares no Mapa de Pessoal para 2010 e a mudança de posicionamento remuneratório, por via da opção gestionária, de 49 dos funcionários, depois dos trabalhadores promoveram, pela terceira vez, um protesto em frente aos Paços do Concelho, para exigir os seus direitos, aos quais se opunham os vereadores da oposição (PS e PSD).

“Não nos explorem mais com a crise!”

é o lema para uma manifestação nacional de trabalhadores da Administração Pública que decorre, esta tarde, em Lisboa.

Os trabalhadores lutam pela recuperação do poder de compra, pelo vínculo público, contra o emprego precário, pela efectivação de direitos, pelo direito à carreira profissional, por uma avaliação justa, em defesa da contratação colectiva e pela revisão do código do trabalho.

Turismo de Portugal comprou campo de golfe de Marvão

O Instituto de Turismo de Portugal (ITP) adquiriu o campo de golfe de Marvão por mais de 565 mil euros. A proposta apresentada pelo ITP, uma das entidades credoras daquele equipamento, foi a única que surgiu desde que a venda extrajudicial foi anunciada.

A venda do campo de golfe de Marvão, envolvido num processo de insolvência há vários anos, decorreu no Tribunal de Castelo de Vide, através de uma acção extrajudicial que se encontrava em curso.

Comentários recentes

  • Anónimo

    Foram buscar o antigo imperador JR .....dizem que ...

  • Anónimo

    O Imperador está suficientemente saudável para c...

  • Anónimo

    As odalascas vêm com o calor...

  • Anónimo

    Alguém sabe em que dia desfila o imperador, as oda...

  • Munhoz Frade

    Um desabafo como este do Vitor Paixão é um momento...

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds