Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

Antes que seja tarde

Depois de ter feito, quando em 2005 ganhou as eleições, um enorme escarcéu sobre o exagerado défice de então, 6,1% do PIB, e de, com base na necessidade de o baixar, ter aumentado impostos, contrariando a promessa eleitoral, e obrigado os trabalhadores e os portugueses de mais baixos recursos a apertar ainda mais o cinto e, dessa forma ter conseguido chegar aos 2,6% em 2007, o governo PS apresenta para 2009 um défice de 9,3%, três pontos percentuais acima do registado em Setembro último.

Este descontrolo, mais três pontos percentuais em três meses tal como no mandato, mostra bem o que foi o uso e abuso do aparelho do Estado em ano de eleições e como José Sócrates escondeu dos portugueses o verdadeiro estado da nação, tal como mostra a sua efectiva incapacidade de controlar as contas públicas, ao contrário do que sempre disse e voltou agora a dizer, com todo os desplante de quem não tem vergonha nem respeito pela inteligência dos portugueses, ao afirmar que “já o consegui fazer (descer o défice), sei como fazê-lo e estou empenhado em consegui-lo”.

O que mais me incomoda (mas parece que incomoda poucos) é a desfaçatez e falta de vergonha desta gente (PS). Agora que já não conseguem esconder o tamanho do buraco para que empurraram o país (o maior défice de sempre, uma das mais altas taxas de desemprego, investimento público a descer há uma década,...) ainda vem o primeiro-ministro dizer que “sabe com fazer” descer o défice, porque já o conseguiu fazer, e aí estão as velhas e estafadas soluções que passam por exigir aos mesmos de sempre – os trabalhadores e os mais necessitados -, que paguem a crise.

Agora até já inventaram uma nova para nos manterem anestesiados, que consiste em dizer que não vale a pena olhar para trás e avaliar o que foi feito porque o que interessa é olhar para a frente e resolver os problemas. Mas como é que os responsáveis pela situação a que chegámos, que mostraram a sua falta de vontade política e incapacidade de resolver os problemas, os vão resolver, se são os mesmos, com as mesmas políticas e as mesmas mesinhas?

Mas que Povo somos, que permitimos que nos tratem desta maneira e nada façamos? Nem o pior ministro da UE se demite, nem o demitem, nem corremos com este governo, nada! Parece que estamos anestesiados com medo da ingovernabilidade, como se fosse possível ter pior governo do que este. Pior para o Povo, está bem de ver, porque os senhores do capital, os que lhes prestam serviços e os governos que para eles trabalham não só não se queixam como tudo fazem para que tudo continue na mesma. Que importa que isto (Portugal) vá ao fundo se eles já puseram o deles a salvo?

É urgente experimentar alternativas, propostas por quem não esteve no poder e que, por isso, não pode ser responsabilizado pela situação, com outras visões e políticas, que mostrem se existem ou não alternativas melhores ou se temos de nos conformar com esta fatalidade. Perdemos a oportunidade de criar essa possibilidade em Outubro último. Não podemos perder mais quatro anos a comprometer o futuro. É preciso e urgente acabar com a instabilidade instalada, afastando quem já mostrou à saciedade que não sabe ou não quer governar, antes que a ingovernabilidade se entranhe e se criem e desenvolvam situações sociais de difícil controlo.

Ministro da Agricultura presente na Gala de "Beja Cidade do Vinho 2010”

O ministro da Agricultura, António Serrano, e o secretário de Estado das Florestas e Desenvolvimento Rural, Rui Barreiro, participam esta sexta-feira, no Cine-Teatro Municipal Pax Júlia, em Beja, na Gala que marca o arranque oficial de "Beja Cidade do Vinho 2010”, onde será feita a entrega do prémio “Cidade do Vinho” a Beja, distinção que fará do concelho e da região o foco da promoção vinícola durante este ano, e de menções honrosas às cidades de Évora, Mealhada e Santa Marta de Penaguião, "pela qualidade das candidaturas apresentadas ao mesmo prémio”.

O evento "Beja Cidade do Vinho” está a ser coordenado por uma comissão organizadora que, para além do município de Beja e da Associação de Municípios Produtores de Vinho, agrega a Comissão Vitivinícola da Região do Alentejo, Entidade Regional de Turismo do Alentejo, ViniPortugal, entre outras entidades do sector.

A Gala compreende ainda vários momentos musicais com as actuações do Grupo Coral Masculino de Baleizão, do Grupo Coral da Sociedade Filarmónica Palmelense "Os Loureiros”, Grupo de Música Popular Portuguesa "Cantares D’Aldeia” de Vale da Pinta (Cartaxo) e, por fim, os bejenses "Virgem Suta”.

“Musa” inspiradora do busto da República era alentejana

Ilda Pulga, natural de Arraiolos, que faleceu em 1993, com 101 anos, posou e inspirou o escultor que concebeu o busto da República, João da Silva, que usava como pseudónimo João da Nova”, “porque também escrevia para a revista Seara Nova”, segundo o sobrinho bisneto da “mulher que representa a República”, o meu amigo Joaquim Pulga.

No dia 31 de Janeiro, no Porto, tem início o programa das comemorações oficiais do centenário da República, implantada a 5 de Outubro de 1910, que decorrerão ao longo do ano.

Comentários recentes

  • Anónimo

    É uma questão de tempo. André Ventura ainda irá da...

  • Anónimo

    Se depois dessas apostas o desempate depender de u...

  • Anónimo

    A propósito, temos o caso do Munhoz Frade. Apesar ...

  • Mais Beja

    Tenho 1€, e posso apostar onde ganho 3 vezes ou on...

  • Anónimo

    Pois é, mas a matemática também serve para desempa...

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds