Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

Indispensável à democracia e para a construção do socialismo

O advogado e deputado do PS, Joaquim Sarmento, publica na edição de hoje do Público um artigo intitulado «Melo Antunes, émerito fundador da democracia portuguesa» que, em diversos pontos, me merece reservas que entretanto não tratarei neste «post».

Não, o que pretendo anotar é que Joaquim Sarmento, tal como vários antes dele, escreve que «ao declarar perante as câmaras de televisão na noite de 26 de Novembro que o Partido Comunista era indispensável à democracia, Melo Antunes ganhou a admiração de todos os democratas, incluindo aqueles que queriam atravessar o "Rubicão" com um exército de elefantes domesticados.»

Ora, cada um de nós, pode, à distância de 34 anos, entender que se Melo Antunes tivesse falado da indispensabilidade do PCP para a democracia talvez essa expressão fosse mais conforme com as realidades políticas objectivas da época.

Mas a verdade é que, historicamente e certamente não por acaso ou lapso, não foi isso que Melo Antunes disse. Com efeito, como qualquer gravação da RTP ou consulta de jornais da época comprovarão, do que Melo Antunes falou naquela noite foi da indispensabilidade do PCP «para a construção do socialismo».

Leia o resto deste post de Victor Dias em "o tempo das cerejas", aqui.

“em.cantos” na Pousada do Castelo de Alvito

O projecto “em.cantos” reúne, do dia 27, às 18horas, em Alvito vários especialistas ligados ao Património, que vão falar sobre “A Importância do Património Edificado no Distrito de Beja: Revisitar a Arte Manuelina em Alvito”, numa reflexão conduzida por Ana Paula Figueira, coordenadora do projecto: António Filipe Pimentel (especialista em História de Arte, Professor Auxiliar na Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra), José Cabrita Nascimento (Director Regional da Cultura do Alentejo), Júlio Órfão (Gestor do Mosteiro da Batalha), Deana Barroqueiro (Autora de numerosos romances inspirados em conhecidos personagens da história), João Ricardo (Actor, interpretou, entre muitos outros, o Rei D. Carlos em “Equador”) e João Penetra (Presidente da Câmara Municipal de Alvito), para além Henrique Figueira (Presidente da Direcção da ORIK), Catarina Valença Gonçalves (Responsável pelo Projecto da Rota do Fresco) e José António Falcão (Dirige o Departamento Histórico e Artístico da Diocese de Beja), na qualidade de participantes convidados.

Peres de Sousa preside a sub-comissão da OIV

A criação de um guia para a produção integrada de uvas de mesa e o incremento da produção de uvas para passa são duas das metas estabelecidas para o triénio 2009-2012 pelo professor da Escola Superior Agrária do Instituto Politécnico de Beja (IPB) e produtor de uvas de mesa sem grainhas Luís Peres de Sousa, eleito, na Croácia, para o cargo de presidente da sub-comissão para as uvas de mesa, passas e produtos não fermentados da vinha da Organização Internacional da Vinha e do Vinho (OIV), a entidade que regula todo o sector vitivinícola a nível mundial.

Comentários recentes

  • Anónimo

    Tem razão! No entanto é necessário não perder voz,...

  • Anónimo

    Foram buscar o antigo imperador JR .....dizem que ...

  • Anónimo

    O Imperador está suficientemente saudável para c...

  • Anónimo

    As odalascas vêm com o calor...

  • Anónimo

    Alguém sabe em que dia desfila o imperador, as oda...

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds