Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

“Não foi o PS que ganhou, mas a CDU que perdeu”

Esta é uma afirmação polémica de Miguel Correia e, naturalmente, contraditória com a posição oficial do PCP. Por isso mesmo e para estimular o necessário debate, aqui deixo as suas palavras bem como uma síntese da posição do PCP.

 A DORBE do PCP registou: “a importante votação alcançada pela CDU no distrito – a melhor votação em eleições autárquicas desde 1997 em número de votos e percentagem”; “a conquista da presidência da Câmara Municipal de Alvito e o reforço da massa eleitoral nas câmaras municipais de maioria CDU (Barrancos, Castro Verde, Moura, Serpa, e Vidigueira)”; que a “reforçada expressão eleitoral da CDU – que a confirma como uma grande força no distrito e no país – não anula o carácter insatisfatório de um resultado que ficou aquém dos objectivos”; “como negativa a perda das presidências das câmaras municipais em Aljustrel e Beja”; a “clara a concentração de votos da direita no PS (que o esvaziamento do PSD testemunha), que ali vê a força que melhor pode combater a CDU e as suas posições”.

E Miguel Correia comentou aqui:

“Não faz sentido que, após os resultados eleitorais, essa mesma explicação sirva de base a um debate alargado sobre o porquê dos resultados? Olhando para dentro, e não unicamente para fora, como se fez com Beja, com a explicação da deslocação de votos do PSD para o PS (que aconteceu, de facto; mas porque terá sido?)
E faz algum sentido afirmar que os resultados são meramente ”insatisfatórios”? Serão maus apenas quando o PCP perder mais dez câmaras?
Impõem-se uma reflexão séria, descomplexada, sem exclusões, que procure explicações para o facto de o PCP, com esta conjuntura, perder e não ganhar. Uma reflexão que numa primeira fase poderia ser interna, mas que numa segunda deveria ser aberta a todos os interessados. O que falhou? Porquê? O que pode ser feito para corrigir a rota? A comunicação está a falhar? Uma reflexão com o objectivo de resolver algo, e não meramente para camuflar. Porque por este andar, dentro de quatro ou oito anos o PCP simplesmente não terá "nada para camuflar". O que seria uma pena, pois o PCP é uma força incontornável no Poder Local, e essencial para o desenvolvimento do Alentejo.
nota: Em Beja, não foi o PS de Pulido Valente que ganhou, mas a CDU de Francisco Santos que perdeu. Perdeu pela arrogância, perdeu por falta de comunicação, perdeu pelo mandato mediano que não olhou devidamente para alguns dos graves problemas do concelho, perdeu pela má campanha eleitoral, mas perdeu essencialmente porque não percebeu, a tempo, que a tal deslocação de votos do PSD para o PS poderia acontecer. E perdeu porque já se tinha habituado a ganhar. Erro grave, esse.”

Afinal não é só no PCP...

O PS quer expulsar militantes que se candidataram contra o partido. O processo contra Narciso Miranda aguarda conclusão e o processo contra Maria José Azevedo e militantes que integraram a lista de independentes a Valongo, bem como o processo contra Manuel Vieira, da Junta de Freguesia de Santo Ildefonso, que também concorreu como independente, já seguiram para a Comissão de Jurisdição da Distrital do Porto.

“Palavras Andarilhas” nomeadas para o prémio ALMA

A Direcção-Geral do Livro e das Bibliotecas (DGLB) nomeou as “Palavras Andarilhas”, organizadas pela Biblioteca Municipal de Beja desde 1998, para o prémio Astrid Lindgren Memorial Award – ALMA, o mais importante prémio internacional de literatura para crianças, para que foram nomeados 168 candidatos de 61 países. 
Cristina Taquelim, mentora das “Palavras Andarilhas” afirmou que “esta nomeação, só por si, é um prémio”.

Fialho de Almeida continua a “dar” prémios literários

“O prémio P.E.N. Clube de Ensaio foi atribuído ex-aequo a Frederico Lourenço ("Novos Ensaios Helénicos e Alemães", cotovia) e a Isabel Cristina Pinto Mateus pelo ensaio "Kodakização e despolarização do real – para uma poética do grotesco na obra de Fialho de Almeida" (Caminho). Registe-se então que a obra do autor de Vila de Frades continua a interessar os estudiosos (e não só), expandindo a percepção que temos de Portugal e do Alentejo.”

Comentários recentes

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds