Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

Vítor Proença candidato da CDU à Câmara de Santiago do Cacém

Vítor Proença, com 52 anos, militante do PCP há 33, candidata-se ao seu terceiro mandato como presidente da Câmara de Santiago do Cacém, onde já foi vereador, entre 1998 e 2001.

A CDU re-candidata, igualmente, Sérgio Pereira Bento à Assembleia Municipal de Santiago do Cacém. O candidato, de 53 anos, professor, é presidente da Assembleia desde 1985.

A candidatura tem como mandatário, Modesto José Ferreira, advogado de 73 anos, antigo presidente da Assembleia Municipal de Santiago do Cacém, no mandato 1976/79 e reeleito em 1979 e 1982.

Para as autárquicas deste ano, já apresentaram candidatura ao município de Santiago do Cacém Arnaldo Frade, pelo PS, Carlos Pereira Dias, pelo PSD, e Manso Ribeiro, pelo CDS-PP.

Pedro Paredes recandidata-se à Câmara de Alcácer do Sal

pelo PS, apesar da respectiva concelhia ainda não ter aprovado a sua candidatura, afirmando que conta com o apoio da Federação Distrital de Setúbal e da Direcção Nacional do PS.

Pedro Paredes, arquitecto de 55 anos, foi membro da Assembleia Municipal de Alcácer do Sal entre 1989 e 1993, ano que foi eleito vereador. Foi eleito presidente da Câmara, com maioria absoluta, em 2005, pelas listas do PS.

 

“Vou servir esta terra, se a terra achar que devo, mais quatro anos”, assegura o presidente da Câmara Municipal de Alcácer do Sal, que há umas semanas retirou os pelouros e a vice-presidência da Câmara ao presidente da concelhia do PS.

Amnésia, recalcamento, ignorância ou, simplesmente, má-fé?...

«Gostava de lembrar que durante 25 anos em que a CDU esteve à frente da autarquia não foi entregue nenhuma habitação social», terá dito, segundo o relato do Diário do Sul, o cabeça de lista à Assembleia Municipal de Évora, Capoulas Santos, no jantar da candidatura do PS, realizado na Arena d’Évora.

Ora nós gostávamos de lembrar o artigo que publicamos AQUI, em 2005, onde se conclui precisamente o contrário do pensamento expresso pelo candidato Capoulas Santos. Ou seja: a intervenção municipal na produção de solo urbanizado e habitação foi uma das áreas mais profícuas dos executivos da CDU.

Sem contar com os milhares de fogos promovidos pelas Cooperativas ou em CDH (contratos de desenvolvimento de habitação a custos controlados), em terrenos cedidos pelo município; sem contar com os mais de mil lotes, subsidiados, cedidos directamente às famílias para auto-construção; foram construídos no concelho de Évora, durante os mandatos da CDU, 1326 fogos de habitação social, 282 dos quais por construção e promoção directa da Câmara Municipal.

Mas enfim, por mais que o candidato Capoulas repita a mentira, ela nunca se transformará em verdade. Para nós resta apenas uma dúvida: trata-se de amnésia, recalcamento, ignorância ou, simplesmente, má-fé?...

 

Transcrito, com a devida vénia daqui.

Comentários recentes

  • Anónimo

    Mais uma vez, estamos a constatar o desinvestiment...

  • Anónimo

    Pois, pois.....A falta de dignidade e coerência po...

  • Anónimo

    A democracia é a pior forma de governo, com excepç...

  • Anónimo

    Bem sei, caro LG, que a citação não é da sua autor...

  • Anónimo

    O quê? Ou a linguagem é subliminar, ou sou eu que ...

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds