Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

Mais investimento ou mais propaganda?

O secretário de Estado Adjunto das Obras Públicas e das Comunicações afirmou que este é o governo, que “mais investimentos tem feito, em prol do desenvolvimento do concelho” de Beja.

Gostava de ver demonstrada, com números reais, esta afirmação, sob pena de achar que este governo quer distrair-nos, ao “confundir” a propaganda da renovação de promessas com investimento real. Que investimentos fez, de facto e até agora, este governo nas estradas nacionais que atravessam o concelho de Beja?

Queria ser tratado por ministro e sem confianças de natureza pessoal

Façamos de conta que o ministro da Presidência Pedro Silva Pereira não me telefonou a tentar saber por "onde é que eu ia começar" a entrevista que lhe fiz sobre o Freeport e não me voltou a telefonar pouco antes da entrevista a dizer que queria ser tratado por ministro e sem confianças de natureza pessoal.”

 

Mário Crespo, in JN

E ficou ainda mais sozinha

«É uma voz de medo, baixa titubeante que me fala. Os olhos escuros, pequenos emoldurados de fartas sobrancelhas refugiam-se nas mãos atrapalhadas.
O corpo é o de uma menina-mulher do campo, de pele curtida e andar pesado.
-
Que se casou com um brasileiro, dizem-me, alto e gordo como essa porta, há mais de seis anos. Que tem com ele uma menina.
Ele já lhe enganou os sonhos de menina com a irmã, já lhe bateu no café à frente da aldeia que não se moveu. Já lhe bateu em casa, na rua, em frente da filha e até dos pais.
Quando a aldeia a apanhou sozinha criticou-a porque não apresentou queixa na polícia. Ela, coitada, que ninguém disse nada, ninguém o impediu quando ele lhe moía o corpo. E a filha?
então não sabem que já me disse que foge e me leva a menina para o Brasil?
Algumas vozes berram-lhe que não, que ele não quer a menina para nada, ela que faça queixa para ao menos estar prevenida.

Percebo tarde de mais, que a menina mulher foi outra vez espancada, agora pelas palavras sonoras das colegas que se sentam com ela. E ficou ainda mais sozinha.»

 

Este relato vivo de um caso de violência doméstica foi retirado, com a devida vénia, do blogue Um tempo novo.

Comentários recentes

  • Anónimo

    Como estão as contas afinal?

  • Luis Palminha

    Se não me engano, a resposta a essa pergunta foi p...

  • Anónimo

    É verdade , gente empenhada, competente é o que ma...

  • Anónimo

    Gente que tem mais processos disciplinares arquiva...

  • Anónimo

    É Só Eng de obras feitas

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds