Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

Quem não deve não teme

Parece ser claro para toda a gente que o Ministério do Ambiente de José Sócrates teve intenção de deixar o processo do Freeport aprovado antes das eleições de 2005, usando todos os expedientes para o conseguir, obtendo pareceres em prazos nunca vistos.

Nada disso significa, obrigatoriamente, que tenham sido cometidas ilegalidades ou irregularidades insanáveis no processo nem que este tenha andado tão depressa e só tenha sido aprovado porque houve pagamento de luvas.

Mas foram levantadas essas suspeitas, agora intensificadas pelo pedido da Justiça da Grã-Bretanha de consulta às contas bancárias de um grupo de pessoas, incluindo José Sócrates. Importa, por isso, esclarecer até ao fim essas suspeitas, ainda por cima porque elas atingem o bom-nome de um antigo ministro, agora primeiro-ministro, e, por isso, também o bom-nome de Portugal.

Quando seria de esperar que deixasse que a Justiça faça e conclua o seu trabalho, sem interferências, José Sócrates optou por se multiplicar em declarações, mais ou menos, formais, reafirmando a sua inocência e a correcção de todo o processo e atacando uma pretensa campanha negra de difamação contra si orquestrada, visando atingi-lo pessoal e politicamente.

Ou seja, José Sócrates, com as suas declarações tem procurado vitimizar-se, condicionar os processos judiciais em curso e fazer aquilo de que critica outros, lançando suspeitas sem concretizar contra quem.

Em vez deste seu comportamento não seria mais correcto fazer o que disse inicialmente – colocar-se à disposição da Justiça para ajudar a esclarecer a situação –, mostrando que quem não deve não teme, e autorizar o acesso das autoridades judiciais às suas contas bancárias? Melhor ainda seria torná-las públicas uma vez que o processo tem grande impacto mediático.

Rede Transfronteiriça 7X7

foi recentemente constituída pelos municípios de Beja, Évora, Estremoz, Moura, Portalegre, Elvas, Montemor-o-Novo e pelos ayuntamientos de Cáceres, Plasencia, Mérida, Badajoz, Zafra, Almendralejo e Coria, com o objectivo principal da construção de uma plataforma informal capaz de consolidar os laços de cooperação transfronteiriça, pretendendo dinamizar projectos e iniciativas locais por todo o território e criar redes de trabalho entre os municípios e ayuntamientos aderentes de maneira a facilitar a projecção dos territórios e a competitividade das suas cidades. Como exemplo da parceria que se pretende estabelecer é apontada a área económica e a procura de sinergias que possam promover os azeites e os vinhos.

Comentários recentes

  • Anónimo

    Dos socialistas não, dos boys e girls.

  • Anónimo

    Vai ficar tudo na mesma.

  • Anónimo

    O PAN pode ser uma ameaça maior do que a maioria a...

  • Anónimo

    Concordo com a sua preocupação! Os populismos que ...

  • Anónimo

    São de facto muitas incógnitas! E qualquer dos cen...

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds