Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

“As Ervas da Baronia” regressam aos restaurantes de Alvito

A 3ª edição do Ciclo Gastronómico

"As Ervas da Baronia",

dedicada às ervas do campo,

designadamente aos Espargos, aos Catacuzes e às Carrasquinhas,

decorre entre os dias 2 e 8 de Fevereiro,

nos restaurantes aderentes do concelho de Alvito:

“A Varanda”, “O Américo”, “O Buraco da Zorra” e “O Feio”, em Alvito,

e

“A Avenida”, “Bica Nova”, “O Camões” e “O Casão”, em Vila Nova da Baronia.

Quem não deve não teme

Parece ser claro para toda a gente que o Ministério do Ambiente de José Sócrates teve intenção de deixar o processo do Freeport aprovado antes das eleições de 2005, usando todos os expedientes para o conseguir, obtendo pareceres em prazos nunca vistos.

Nada disso significa, obrigatoriamente, que tenham sido cometidas ilegalidades ou irregularidades insanáveis no processo nem que este tenha andado tão depressa e só tenha sido aprovado porque houve pagamento de luvas.

Mas foram levantadas essas suspeitas, agora intensificadas pelo pedido da Justiça da Grã-Bretanha de consulta às contas bancárias de um grupo de pessoas, incluindo José Sócrates. Importa, por isso, esclarecer até ao fim essas suspeitas, ainda por cima porque elas atingem o bom-nome de um antigo ministro, agora primeiro-ministro, e, por isso, também o bom-nome de Portugal.

Quando seria de esperar que deixasse que a Justiça faça e conclua o seu trabalho, sem interferências, José Sócrates optou por se multiplicar em declarações, mais ou menos, formais, reafirmando a sua inocência e a correcção de todo o processo e atacando uma pretensa campanha negra de difamação contra si orquestrada, visando atingi-lo pessoal e politicamente.

Ou seja, José Sócrates, com as suas declarações tem procurado vitimizar-se, condicionar os processos judiciais em curso e fazer aquilo de que critica outros, lançando suspeitas sem concretizar contra quem.

Em vez deste seu comportamento não seria mais correcto fazer o que disse inicialmente – colocar-se à disposição da Justiça para ajudar a esclarecer a situação –, mostrando que quem não deve não teme, e autorizar o acesso das autoridades judiciais às suas contas bancárias? Melhor ainda seria torná-las públicas uma vez que o processo tem grande impacto mediático.

Rede Transfronteiriça 7X7

foi recentemente constituída pelos municípios de Beja, Évora, Estremoz, Moura, Portalegre, Elvas, Montemor-o-Novo e pelos ayuntamientos de Cáceres, Plasencia, Mérida, Badajoz, Zafra, Almendralejo e Coria, com o objectivo principal da construção de uma plataforma informal capaz de consolidar os laços de cooperação transfronteiriça, pretendendo dinamizar projectos e iniciativas locais por todo o território e criar redes de trabalho entre os municípios e ayuntamientos aderentes de maneira a facilitar a projecção dos territórios e a competitividade das suas cidades. Como exemplo da parceria que se pretende estabelecer é apontada a área económica e a procura de sinergias que possam promover os azeites e os vinhos.

Pensar Évora como cidade do presente e do futuro,

tendo em conta o legado do passado,

e a sua condição de património da humanidade,

é o desafio que a CDU propõe

aos participantes num encontro

com o Arquitecto Álvaro Siza Vieira,

no próximo dia 31,

com início às 15h30, no Café Arcada,

prolongando-se pelas ruas do Centro Histórico,

seguido de uma conferência, pelas 17h00, no Palácio D. Manuel.

Haverá, ainda, pelas 20h00,

nos Cantares de Évora (Celeiros),

um convívio em torno das iguarias

que também integram o nosso património cultural.

"Hoje em dia eu penso diferente do que acontecia em 1997

(quando pela primeira vez me candidatei e depois 2001 quando fui eleito) que a Feira de S. João tinha de sair do Rossio de S. Brás. Actualmente não penso isso. Acho que é essencial para a cidade, para o Centro Histórico e para a própria feira estar centrada no Rossio (mais de lazer, e menos comercial).»

José Ernesto Oliveira - entrevista ao Diário do Sul, 12 Janeiro 2009

 

"Já desconfiávamos que o Dr. José Ernesto Oliveira tinha mudado de idéias...
Afinal, não houve manifesta incapacidade de edificar o Parque de Feiras e Exposições, prometido em sucessivas candidaturas autárquicas (1997, 2001 e 2005). O que houve, foi uma mudança de idéias...
Afinal, a Expo Évora, proposta no PDM do ano passado, vai ficar para as calendas porque, o Sr. Presidente da Câmara, mudou de idéias...
Afinal, as intenções do Estudo Estratégico para o Centro Histórico para o Rossio de S. Brás, anunciadas há poucos meses, são para esquecer. Agora, o senhor Presidente da Câmara, pensa diferente do que pensava..."

In: Mais Évora

 

Pág. 1/11

Comentários recentes

  • Anónimo

    Penso que é facial perceber quem falta a verdade. ...

  • Anónimo

    Bons tempos.

  • Anónimo

    Tem toda a razão, às vezes parecem miúdos que pela...

  • Anónimo

    Como estão as contas afinal?

  • Luis Palminha

    Se não me engano, a resposta a essa pergunta foi p...

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds