Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

O que esconde o Governo?

José Soeiro afirma que "o chumbo ao pedido de audição do ministro da Economia e Inovação revela que o silêncio do Governo sobre esta matéria é comprometedor” e que "é urgente conhecer o «negócio» acordado entre o Estado português e a empresa que gere as Pirites Alentejanas, que multinacional francesa é esta que aparece agora interessada na aquisição da mina de Aljustrel, assim como, os termos que propôs para o efeito".

 

Adalberto Alves foi distinguido pela UNESCO

com o Prémio Sharjah 2008 para a cultura árabe, no valor de 30 mil dólares (22 mil euros), atribuído pela UNESCO, que é hoje entregue, em Paris.

José Adalberto Coelho Alves, 69 anos, advogado, com família e casa em Beja, é presidente do Centro de Estudos Luso-Árabes de Silves. O seu interesse pela cultura muçulmana levou-o a estudar Língua Árabe na Universidade Nova de Lisboa, encontrando-se ligado a diversas instituições, entre as quais se pode destacar a Fundação da Memória Árabe, o Centro Português de Estudos Islâmicos e a Academia de Altos Estudos Ibero-Árabes.

Entre os livros de poesia, contos e ensaios que publicou incluem-se títulos dedicados ao mundo árabe: «O Meu Coração é Árabe», «Arabesco - da Música Árabe e da Música Portuguesa», «Al-Mu'tamid/ Poeta do Destino» e «Ibn'Ammâr Al-Andalusi - O drama de um poeta».

Foto retirada daqui, onde pode ler mais sobre o premiado.

 

O que faria se governasse a pensar em eleições?!

Como era previsível, depois das várias manifestações de alunos dos ensino básico e secundário, o Ministério da Educação corrigiu o regime de faltas do Estatuto do Aluno.

Outras “correcções” a outras medidas, quer deste ministério quer de outros, se seguirão à medida que nos aproximarmos das eleições, porque, como José Sócrates está farto de repetir, este governo “não governa a pensar em eleições”...

Comentários recentes

  • Anónimo

    M. Frade, não compreendeu o que petendi dizer com ...

  • Munhoz Frade

    Quis dizer “gerar” e não “gerais”. Não reparei na ...

  • Anónimo

    Seria voltar a focar as questões ligadas ao modo d...

  • Munhoz Frade

    Um pouco de polémica, meu caro ZLG:Sabemos que cau...

  • Anónimo

    É pena que o próprio DA não se tenha interessado p...

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds