Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

BejaSénior aguarda a visita de 5000 idosos

A BejaSénior realiza-se, de 24 a 26, no Parque de Feiras e Exposições de Beja, integrada na Ruralbeja - Feira de Outono.  

Ao longo dos três dias da BejaSénior                          

é aguarda a visita de mais de cinco mil idosos,

oriundos dos concelhos cujos municípios integram a organização deste projecto de carácter intermunicipal:

Almodôvar, Beja, Castro Verde, Mértola, Moura e Grândola.

 

Esta edição,                                                        

com um interessante PROGRAMA,                             

é centrada nas questões relacionadas com                

a mobilidade sénior,                                     

 respondendo à necessidade crescente de valorização

e aumento da auto-estima da população idosa.

 

 

“Ainda ninguém está a semear”

«Num ano normal, a plantação de cereais começava agora e prolongava-se até Dezembro. Mas, neste momento, no Alentejo e no Ribatejo, ainda ninguém está a semear e corre-se o risco dos 200 mil hectares da última campanha não virem a ser semeados», afirmou o presidente da ANPOC, Bernardo Albino, lamentando que Portugal «não tenha uma estratégia para este sector», o que poderá gerar «desemprego, a curto prazo, porque muitos produtores, sem a componente dos cereais, terão que abandonar a actividade, e a morte da comunidade rural».

Esta situação resulta dos receios dos agricultores em apostarem nas sementeiras perante o «elevado preço» das matérias-primas, uma vez que «O preço dos adubos subiu mais de 200% no último ano e meio», pelo que o produto final dos agricultores «vale muito menos do que aquilo que custa produzi-lo». 

Nem queria acreditar

no que estava a ver, quando fui visitar a Ermida de Santa Luzia - a estrada está cortada com uma rede de uma zona de caça, impedindo o acesso ao monumento.

Não acredito que a Câmara Municipal e a Junta de Freguesia tenham conhecimento desta situação e não tenham intervido para repor a legalidade.

Aqui fica a denúncia (e a prova fotográfica) na expectativa de que que a legalidade seja reposta e o acesso à Ermida fique de novo livre. Alvito aposta no turismo, não é verdade?

 

Comentários recentes

  • Munhoz Frade

    Um desabafo como este do Vitor Paixão é um momento...

  • Vitor Paixão

    O seu comentário atesta a minha razão. Atiram para...

  • Ana Matos Pires

    Como dizia o outro "seu grandessíssimo e alternadí...

  • Anónimo

    Perdeu uma boa oportunidade de estar calado porque...

  • Vitor Paixão

    Por vezes dou comigo a pensar se falo, se fico cal...

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds