Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

Mais um grande projecto que tudo vai resolver

Esta semana começou com o primeiro-ministro José Sócrates a deslocar-se a Évora, para anunciar o lançamento de mais um grande projecto, daqueles que tudo vai resolver.

Desta vez, foi o lançamento do concurso para concessão, construção e manutenção do primeiro troço (Poceirão – Caia) da rede de alta velocidade, parte integrante da ligação entre Lisboa e Madrid. 

Os concorrentes terão agora quatro meses para apresentar as suas propostas, devendo o vencedor do concurso ser anunciado daqui a “um ano, ano e meio”, para que a construção possa começar em 2010 e a circulação no final de 2013.

Na véspera da cerimónia, no Domingo à tardinha, a secretária de Estado dos Transportes, Ana Paula Vitorino, teve um encontro informal e “oportuno” com os jornalistas, para lhes antecipar algumas informações sobre o projecto.

Na cerimónia, o primeiro-ministro realçou as principais vantagens do projecto, garantindo que o lançamento do concurso marcou o “antes e o depois” do TGV.

Começando por afirmar que “Portugal não quer ficar para trás ou desistir da modernidade”, assegurou que o TGV é uma “infra-estrutura absolutamente essencial ao país e para a melhoria da qualidade de vida dos cidadãos e da economia”.

Mas não satisfeito com todas estas mais-valias do projecto, ainda fez questão de acrescentar “as repercussões no ordenamento do território”, “os impactos económicos” que “vai mudar Portugal”, os impactos positivos para o ambiente na medida em que retira passageiros e tráfego aos transportes rodoviários e aéreos.

Enfim, só coisas boas!

Mas, entretanto e logo no local, o presidente da Câmara Municipal de Vendas Novas reafirmou as preocupações do seu Município, que o levaram a, em sede de discussão pública do impacto ambiental do projecto, manifestar a sua discordância relativamente a todas as propostas de traçados apresentadas…    

Também não se percebe muito bem o que o TGV vai transportar se todo o aparelho produtivo nacional continua a ser destruído... Ou será que só vai transportar mercadorias do estrangeiro para cá?

Tudo passa a circular mais rápido e até “Mudam os quadros mentais, os hábitos e as atitudes das pessoas”, como também afirmou José Sócrates.

Será que os estudos de avaliação dos custos – benefícios do projecto, não só económicos mas também ambientais e sociais, foram suficientemente elaborados e as suas conclusões não merecem dúvidas?

Será que, atendendo à situação que o país está a viver, é este o momento oportuno para o lançamento do concurso deste grande projecto? É claro que quanto a outras oportunidades elas foram acauteladas.

Sei que as decisões têm de ser tomadas. Mas também sei que outros projectos, cujas soluções foram apresentadas como indiscutíveis, acabaram por ter outras soluções quando foram melhor avaliados.

Sei também que não há projecto nenhum, por mais importante que seja, que constitua a varinha mágica para uma região, principalmente para a nossa.

Mas não sei, por mais que oiça falar, o que é a modernidade. Ou pelo menos, não me parece que a modernidade, de que tanto falam, seja, necessariamente, tão boa como é apresentada e muito menos que acabe com os piores problemas do nosso país, que são a pobreza e as desigualdades sociais.

Não quero ser “Velho do Restelo” mas tenho uma certa dificuldade em aceitar todas as virtualidades que são apontadas a todos os grandes projectos que são lançados. Principalmente as vantagens para a nossa região…

Lido na Rádio Terra Mãe, em 04.06.2008.

 

Feira da Casa e Feira das Velharias em Estremoz

Entre os dias 7 e 10, realizam-se no Parque de Feiras e Exposições de Estremoz, a Feira da Casa 2008 e a Feira das Velharias, promovidas pela Câmara Municipal de Estremoz.

Com a realização da Feira da Casa, agora na sua segunda edição, A Câmara Municipal de Estremoz pretende dar visibilidade às empresas que trabalham no sector da construção civil, do mobiliário, dos electrodomésticos, da decoração, do jardim e outras do sector que desenvolvem a sua actividade com impacto na Região.

 

Comentários recentes

  • João Espinho

    @Anónimo 22.10.2019 22:30 - isso é para rir?

  • Anónimo

    Bem, a reboque disso, reformulam-se as direcções r...

  • Anónimo

    Ah, estamos bem... temos taxas de água, esgoto e l...

  • Zé LG

    Se não disser do que se trata ficamos na mesma, se...

  • Anónimo

    Estranho, sim...

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds