Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

Azeite biológico alentejano premiado na Alemanha

Os azeites “Risca Grande Virgem Extra” e “Risca Grande Vintage”, alcançaram o 2º e o 5º lugar, respectivamente, entre 67 azeites biológicos provenientes de todo o mundo, na última edição da Biofach, a maior feira de produtos biológicos do mundo, que teve lugar na cidade alemã de Nuremberga, entre os dias 21 e 24.


Os azeites são produzidos na Herdade da Risca Grande, localizada perto de Serpa, pela empresa familiar do suíço Andreas Kurt Bernhard, que se especializou em produção biológica e tem como principal “cliente” do seu azeite o mercado da Suiça.

“ENOVE +” em Portalegre

Hoje e amanhã, nos pavilhões do NERPOR, mais de 70 empresas e instituições de Portalegre vão oferecer oportunidades de emprego e formação durante uma feira temática direccionada para os jovens da região, "no âmbito de um projecto transfronteiriço de cooperação empresarial entre Portalegre e Badajoz".

“SAÚDE É PARA TODOS?

É o tema de capa do número 80 da revista Mais Alentejo, que acaba de ser publicado.

 

Serviço de URGÊNCIA.

Noite e Dia. Dramas.

Angústias. Casos Graves.

Boas e más notícias.

Onde a vida quer vencer,

fugindo da morte.

 

Paulo Teixeira Pinto é o protagonista da grande entrevista, onde admite ser “alguém a quem, até à data, a vida deu mais do que o merecido”.

 

PRÉMIOS MAIS ALENTEJO 2008 já estão em preparação, podendo, este ano, os leitores participar, desde já, com a sua opinião para a escolha dos futuros nomeados.

 

A democracia pode estar em perigo

 

O que se tem passado nos últimos anos em Portugal faz-nos temer pelo futuro da nossa democracia.

 

A luta fratricida travada entre os dois principais partidos do bloco central de interesses, envolvendo também o CDS, tem contribuído para uma maior descredibilização da política, dos partidos, dos políticos e, o que é mais grave, das instituições que deveriam constituir o sustentáculo do estado de direito, que deveria, por sua vez, suportar o regime democrático.

Tudo tem valido para se atacarem mutuamente, quer a nível partidário, quer mesmo a nível pessoal dos seus líderes e principais dirigentes.

A prática, desenvolvida há alguns anos por Paulo Portas quando era director do semanário “O Independente”, de condenar na comunicação social os políticos sobre quem, por qualquer razão, recaía qualquer suspeita ou a instituição por que era responsável era objecto de inquérito ou inspecção, tem vindo progressivamente a acentuar-se, nos últimos anos.

Recentemente, a troca de acusações entre líderes e outros dirigentes do PS, PSD e CDS têm posto em causa a capacidade da justiça e de outros agentes de controlo do funcionamento do estado de direito de exercerem as suas funções com independência e eficácia.

Transmitem a imagem de que não olharam a meios para alcançar o poder e que, uma vez no poder, tudo vale e tudo fazem para se amanharem e servirem os interesses dos seus amigos ou de quem lhes paga para os servir.

E também passa a imagem de que, tal como ontem, o que mais interessa é ser ex-governante para ocupar os bons lugares nas empresas a quem prestaram favores enquanto governantes.

É sintomático que perante as denúncias do novo bastonário da Ordem dos Advogados a chamar a atenção para a necessidade de moralização da sociedade portuguesa face aos casos de enriquecimento fácil e rápido sem justificação aparente, a maioria dos responsáveis institucionais tenha pretendido reduzir a situação à corrupção e, em consequência, reclamado que apontasse os casos em concreto e os participasse às entidades competentes.

Fizeram-se desentendidos, procuraram desviar as atenções do que verdadeiramente está em causa, na tentativa de que a onda de indignação que atingiu o país passe e tudo continue como dantes.

Alguns dos casos vindos a público e muitos outros de se que fala mais em privado pondo em causa o bom-nome de políticos, empresários e instituições têm de ser devidamente tratados e esclarecidos para que as pessoas voltem a acreditar no regime democrático e a confiar nas instituições do estado de direito.

Se tal não acontecer sairá reforçada a ideia, muito generalizada, de que “são todos iguais”, que “o que querem é tacho para se amanharem”, que, tal como Bordalo Pinheiro descrevia, “os políticos são os porquinhos que mamam na porca da política”, que a democracia não passa de uma panaceia para que uns se amanhem e ajudem outros a amanhar-se à custa da esmagadora maioria.

Se tal não acontecer é a prova provada de que o estado de direito não funciona. Se a justiça e outros agentes de controlo do funcionamento do estado de direito continuarem cegos e a fazer orelhas mocas a tudo que se está a passar como se nada de anormal se passasse demonstram que não só são incapazes como também dão cobertura a esses escândalos, que estão a minar o regime democrático, e permitem que se acentue a má imagem que se tem dos agentes políticos e empresariais e das respectivas instituições.

Afinal não era só fumo, seremos todos livres de pensar, acreditando que afinal é tudo uma corja de oportunistas que se estão a alimentar à custa do povo.

Este é um caminho perigoso para a democracia. Sabemos bem como os arautos dos regimes autoritários, “democracias musculadas” ou ditaduras, se esforçam por apresentá-los como menos susceptíveis de alimentar ou permitir essas situações. Não é por acaso que os ditadores ou líderes de “democracias musculadas” são frequentemente apresentados como seres inatacáveis nos seus princípios morais.

É evidente que tal não corresponde à verdade e que nesses regimes todas essas situações acontecem na mesma, por vezes, com maior intensidade. O que ajuda a passar aquela ideia é o facto da informação ser mais controlada e, por isso, os podres do sistema não são tão publicitados.

A democracia, para se impor, tem que demonstrar que é mais justa do que (e superior a) os regimes totalitários, principalmente quando nos aproximamos do centenário da instauração da República.

18.02.2008

Publicado na revista Mais Alentejo nº80 

 

 

Comentários recentes

  • Anónimo

    As odalascas vêm com o calor...

  • Anónimo

    Alguém sabe em que dia desfila o imperador, as oda...

  • Munhoz Frade

    Um desabafo como este do Vitor Paixão é um momento...

  • Vitor Paixão

    O seu comentário atesta a minha razão. Atiram para...

  • Ana Matos Pires

    Como dizia o outro "seu grandessíssimo e alternadí...

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds