Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

Em defesa do SNS, criado há 30 anos por António Arnault

"Quando o SNS começou a funcionar cobria 90% da população. Mas foram degradando o SNS e nunca se viram tantos privados como agora. Hoje o SNS cobre na prática só 70% da população", disse à agência Lusa António Arnault, o autor da lei que consagrou a universalidade dos cuidados de saúde, quando passam 30 anos sobre a primeira vez que o Serviço Nacional de Saúde foi publicamente apresentado.

Digam que não é verdade

que 7 trabalhadores da Gráfica da AMBAAL estão,

há quase um mês, desde que o Diário do Alentejo

passou a ser imprimido noutra gráfica,

sem nada fazerem,

à espera que os autarcas do Baixo Alentejo

encontrem uma solução para a sua situação.

Prémio Ibérico de Escultura - Cidade de Serpa

é promovido, pela primeira vez, pela Câmara Municipal,

pretende projectar Serpa

como concelho que apoia a cultura e a arte,

não só a nível nacional, mas também internacional.

O Prémio, a atribuir à peça vencedora, é de 7.500€,

tem tema livre, devendo as obras serem originais

e entregues de 1 de Julho a 31 de Agosto,

de acordo com o Regulamento.

Fartos de politiquices e de politiqueiros…

Registaram-se, nos últimos dias, dois acontecimentos que revelam bem a postura do governo e da administração central.

Na semana passada, perante a denúncia do estado de conservação das muralhas de Évora, onde se acumula lixo e nasceram ervas e uma figueira, o Director Regional da Cultura do Alentejo emitiu um comunicado a informar que a responsabilidade da situação é da Câmara Municipal de Évora.

Na passada Terça-Feira, perante as cheias e inundações registadas na Área Metropolitana de Lisboa, o ministro do Ambiente afirmou publicamente que a responsabilidade da situação é das câmaras municipais.

Isto é, sempre que é confrontado com os problemas do país, o governo atira as responsabilidades para outros – para a União Europeia, para os governos anteriores ou para as autarquias locais.

Os responsáveis da administração central, imitando o governo, repetem “a voz do dono”.

Não mostram qualquer sentido de estado, respeito institucional e, muito menos, qualquer sensibilidade social perante as adversidades.

O que lhes importa, nessas alturas, é “fugirem com o rabo à seringa” e “sacudirem a água do capote”, mesmo que, nalguns casos, molhem correligionários, como aconteceu agora com os casos das muralhas de Évora e das cheias e inundações.

Tal como o primeiro-ministro afirmou, numa tentativa de atenuar o impacto das declarações do ministro do Ambiente, o que importa, perante os desastres naturais, é encontrar as melhores soluções para atenuar as suas consequências.

Naturalmente que importa apurar responsabilidades e responsabilizar os responsáveis mas tal deve ser feito com bom senso, oportunidade e escolhendo a forma adequada de tratar com as partes envolvidas.

É óbvio que nem o ministro nem o director regional mostraram perceber isso, mostrando, pelo contrário, não estarem à altura dos acontecimentos.

Em qualquer dos casos teria sido pertinente que, quer o ministro quer o director regional, tivessem tido em consideração que estavam, com as suas declarações, a por em causa órgãos eleitos, o que eles não são.

O que as pessoas querem é verem os problemas resolvidos, pouco lhes interessando assistir a guerras de competências ou falta delas.

Por isso, esses conflitos deveriam ser resolvidos em diálogo entre as instituições e sempre numa perspectiva de cooperação e de serviço público às comunidades.

Entre a política e a politiquice alguns preferem a politiquice e depois dizem, como se nada tivessem a ver com isso, que as pessoas não ligam à política.

As pessoas estão é cada vez mais fartas de politiquices e de politiqueiros…

 

Lido na Rádio Terra Mãe, em 21 de Fevereiro de 2008

Comunista eleito Presidente do Chipre

O líder do AKEL - Partido Progressista do Povo Trabalhador do Chipre, o comunista Demetris Christofias, de 61 anos, foi eleito Presidente do Chipre, com 53,36% dos votos, na 2ª volta das presidenciais, que registou a participação de 90% dos eleitores.

Demetris Christofias, o 6º Presidente da antiga colónia britânica independente desde 1960, é o primeiro dirigente do partido comunista cipriota a candidatar-se às presidenciais e o único comunista chefe de Estado entre os 27 países membros da União Europeia.

O PCP acredita que com a eleição do novo Presidente estão dados «os primeiros passos para a reunificação do Chipre», cuja parte norte é ocupada pela Turquia desde 1974.

BUS - Bens de Utilidade Social

“Há sempre qualquer coisa lá em casa que não precisamos e que não sabemos a quem dar.... 
No segundo semestre de 2006, um grupo de amigos iniciou um projecto chamado BUS - BENS DE UTILIDADE SOCIAL, Associação Particular de Solidariedade Social.
O projecto consiste basicamente em reproduzir o tremendo êxito do projecto Banco Alimentar contra a Fome e fazer uma espécie de Banco Não-Alimentar.  
Por outras palavras, tentar fazer chegar bens não-alimentares (camas, colchões, lençóis, toalhas, electrodomésticos, sofás, cadeiras etc.) a quem deles necessita, ser nada mais do que uma "ponte" entre quem tem e não precisa e quem precisa e não tem.
HYPERLINK  http://www.bensutilidadesocial.pt/pages/homepage.php"

Divulgado por e-mail.

Somincor tem projecto inovador na Europa para rejeitados

A Somincor, proprietária da mina de Neves-Corvo, está a desenvolver um projecto inovador na Europa para depositar em pasta os rejeitados do complexo mineiro na barragem, o que vai permitir a "completa reabilitação e revegetação de toda a área" da barragem, num processo "mais vantajoso", que, além de "maximizar a capacidade" da barragem, vai permitir "minimizar os impactes ambientais" e é "compatível com um plano de fecho da actividade mineira sustentável e economicamente viável", garantiu John Andreatidis, o administrador-delegado da Somincor.

Comentários recentes

  • Anónimo

    Os populismos apenas surgem por incompetencia dos ...

  • Anónimo

    Há, mas são verdes.

  • Anónimo

    Avisa-se a todos aqueles que diziam, dizem e escre...

  • Anónimo

    PARABENS PAULO ARSENIO , novo Elefante Branco no P...

  • Anónimo

    Não há um tipo desse grupo de inteligentes que até...

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds