Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

Afinal quem meteu água?

Zé LG, 09.01.07

A Comissão Europeia não aprovou a candidatura do projecto de abastecimento de água em alta e saneamento do Alentejo, de acordo com um comunicado emitido pelo Ministério do Ambiente, depois da reunião realizada, ontem, entre o ministro do Ambiente e o presidente da Associação de Municípios do Litoral Alentejano (AMLA).

 

O presidente da AMLA, em declarações à Voz da Planície, considerou que agora é importante ver exactamente porque é que a candidatura não foi aprovada, admitindo que a candidatura tinha “alguns pontos fracos”.

 

Parece-me uma conclusão com “alguns pontos fracos” e bastante acomodada para a gravidade da situação – mais de metade dos habitantes do Alentejo vão continuar com falta de água e problemas ambientais e mais de 80 milhões de euros não foram investidos numa região tão carenciada…

 

Afinal quem meteu água e confundiu a opinião pública, durante cinco anos? Será que mais uma vez a responsabilidade vai morrer solteira?

Montaraz começou a transformar

Zé LG, 09.01.07
Começou hoje a laborar, em Garvão, a fábrica de transformação artesanal de porco alentejano, propriedade da empresa Montaraz

A fábrica de transformação artesanal de porco alentejano, da empresa Montaraz, vai hoje transformar os primeiros 25 porco, que foram ontem abatidos no matadouro de Beja. Trata-se de um investimento de 1 milhão e 800 mil euros, que criou já 13 postos de trabalho, ocupados por trabalhadores do concelho de Ourique.

O PSD exige a perda de mandato da Câmara Municipal de Ourique, por considerar que “era necessário a execução de um plano de pormenor”.