Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

Ano novo traz novos aumentos

Com o ano novo vão chegar aumentos em diversos serviços, nomeadamente na electricidade, transportes públicos, na saúde, combustíveis e tabaco.

As tarifas da electricidade vão aumentar 6% para os clientes domésticos, 5,9 % para os clientes de baixa tensão especial, 6,2% para os de média tensão, 7,9% para os de alta tensão e 8% para os clientes de muito alta tensão.

Os transportes públicos vão registar um aumento de 2,1%.

Na saúde, vão ser aplicadas taxas moderadoras para serviços como internamento e na cirurgia de ambulatório. As cirurgias sem internamento vão custar 10 euros e a permanência numa unidade hospitalar até ao limite de 10 dias custará 5 euros por dia. Por outro lado, vai registar-se uma redução de 6% no preço de todos os medicamentos comparticipados, incluindo os genéricos.

A taxa de imposto sobre os produtos petrolíferos sofre uma actualização de 2,5 cêntimos por litro.

Embora os CTT mantenham os preços durante 2007, os serviços postais reservados vão ser sujeitos a uma actualização de 1,8% em termos nominais.

O preço da água vai variar de região para região e consoante as entidades gestoras de abastecimento de água. No caso de serem privadas, têm de entregar uma proposta de actualização ao Instituto Regulador das Águas e Resíduos que será, depois, aprovada ou não pelo ministro do Ambiente.

O salário mínimo nacional vai ter um aumento de 4,4%, o que corresponde a 403 euros.

«No centenário do nascimento de Fernando Lopes-Graça»

Canta Camarada Canta

Canta, camarada, canta
Canta, que ninguém de afronta.
Que esta minha espada corta
Dos copos até à ponta

Eu hei-de morrer de um tiro
Ou de uma faca de ponta;
Se hei-de morrer amanhã
Morra hoje, tanto monta!

Tenho sina de morrer
Na ponta de uma navalha,
Toda a vida hei-de dizer:
Morra o homem na batalha.

Viva a malta e trema a terra
Daqui ninguém arredou!
Quem há-de tremer na guerra,
Sendo um homem como eu sou?

Tradicional da Beira Alta com letra adaptada

Retirado do "Avante"



Comentários recentes

  • Ana Matos Pires

    Regional de Saúde Mental do Alentejo? Não há.

  • Anónimo

    Planos? Há muitos!

  • Ana Matos Pires

    É pá, como é que nunca nos tinha ocorrido isso? Ob...

  • Anónimo

    Ja viram a capa do Correio do Alentejo desta seman...

  • Anónimo

    o Cocas tambem tem direito á vida.Ficam as restant...

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds