Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

DEFESA DA HONRA

Zé LG Zé LG, 09.11.04
Sou dos acham que a honra é um valor a preservar.
Há algumas pessoas que, fazendo-se passar por comunistas ( os comunistas não se escondem atrás do anonimato para fazerem acusações que não justificam), têm comentado os textos que aqui publico, de forma que me dispenso de comentar, pondo em causa a minha honradez.
Como aprendi que “só não se sente quem não é filho de boa gente”, porque muitos dos que acedem a este blog não me conhecem e, por isso, podem admitir como verdadeiras afirmações contidas nalguns comentários, e por respeito aos que, não me conhecendo, lêem o que aqui vai sendo escrito, decidi fazer estes ESCLARECIMENTOS EM DEFESA DA MINHA HONRA:
1 – Desde 1975 que sou militante activo do PCP e sempre critiquei o que julgo que está mal, no seu interior até há 6 ou 7 anos, e também publicamente nos últimos anos e sempre que está em discussão a vida do Partido (congressos, conferências, encontros, assembleias,..) por ter chegado à conclusão que as minhas posições não chegavam a outros militantes e por achar que não faz mais sentido discutir o Partido apenas no seu interior como se a sua vida não interessasse senão aos militantes.
2 – Nunca pedi nada ao PCP. Todas as tarefas e funções que tenho desempenhado em nome do Partido tem sido por decisão dos seus órgãos.
3 – Sempre cumpri as orientações do Partido, no exercício das tarefas ou funções que me foram confiadas, mesmo não concordando com elas.
4 – Sempre entreguei ao PCP até hoje o excedente da minha remuneração das funções que em sua representação tenho exercido, conforme os Estatutos e acordado com a Direcção. Podem perguntar com que dinheiro o PCP comprou e reparou o seu Centro de Trabalho de Alvito, por exemplo.
5 – Desde o início deste ano que exerço funções de Director numa empresa municipal, com um parceiro privado, na sequência de um concurso público.
6 – Há quem queira que eu saia do Partido. São os que gostam de falar sozinhos para terem sempre razão. Já assisti a muitos abandonarem o PCP depois de se terem arvorado em “guardiães do templo sagrado”…
7 – Os problemas não existem por se falar (mesmo que publicamente) neles mas sim por existirem de facto…
8 - Quem ache que tem razões para contestar estes meus esclarecimentos que o faça frontalmente, caso contrário não estrague este espaço de liberdade e debate de ideias e informações que tem sido desde que foi criado. Eu e que os frequentadores deste blog, ficaremos gratos por isso.

Um debate tardio, viciado e sem perspectivas, num partido cercado

Zé LG Zé LG, 09.11.04
AQUI DEIXO MAIS ALGUMAS REFLEXÕES DO MEU CAMARADA JM:

Se não bastassem já as regras do “centralismo democrático criativo”, que determinam que tudo passe obrigatoriamente pelo crivo do núcleo central de direcção do Partido (da fixação do momento e das normas do Congresso, passando pela elaboração de documentos e pela análise das contribuições, até à definição da composição futura dos órgãos de direcção, incluindo o secretário-geral) e impedem a circulação, o conhecimento e o debate de diferentes opiniões e propostas, resulta ainda patente nas Teses uma arrogante e indesmentível indisponibilidade para qualquer consideração das posições diferenciadas de membros do Partido quanto ao que entendem poderem e/ou deverem ser os contornos essenciais da sua base ideológica, das suas estratégias e políticas de alianças, das suas regras, métodos e estilos de funcionamento ou, em geral, das suas formas de estar e intervir na sociedade.
E, daí, a minha profunda convicção de que as presentes considerações “cairão em saco roto”.

Isso mesmo decorre evidente do estigma e da catalogação depreciativa de quantos vêm afirmando tais posições, ainda que num quadro de inabaláveis convicções comunistas, que insisto em reafirmar.
O conteúdo da tese 4.2.6. é, a esse propósito, esclarecedor: ”Nesta acção (“que visa promover o anticomunismo, uma falsa imagem do partido e o aumento dos preconceitos contra ele... e promover a sua desagregação...” - tese 4.2.5.) têm uma participação activa ex-membros do Partido e alguns outros que continuam a invocar a qualidade de membros e que convergem na acção anticomunista para atacar o Partido na sua essência e criar dificuldades ao reforço da sua influência social, política e eleitoral. E que, dando provas de capitulação ideológica, se rendem e submetem à ideologia do grande capital, promovem a desagregação orgânica do P, prosseguindo no desgaste da sua imagem e influência, assumindo-se cada vez mais como apêndices do PS e do BE”.
Ou seja: todos aqueles (mesmo os “outros”, os que “...continuam a invocar a qualidade de membros do Partido”) que se arvoram no direito de ter e apresentar análises e perspectivas diferentes ou alternativas das que resultam das elucubrações dos dirigentes do Partido vertidas no projecto de Resolução Política estão condenados à condição de “inimigos do Partido” – tese 4.2.7.
Recuso-me a catalogar tal asserção, mesmo se ela resultaria fácil e incontestável já que são óbvios os objectivos persecutórios e de limpeza política que lhe estão subjacentes, na conhecida lógica de que o importante é assegurar, neste momento, que no Partido fiquem “poucos, mas bons”!

De resto, as Teses evidenciam uma tal visão maniqueísta e de partido cercado, que inevitável se torna encontrar perigos e inimigos onde menos se esperaria (como se não bastassem os que realmente existem).
Para além dos perigos e inimigos internos, eles podem ainda encontrar-se e são explicitamente referenciados na CGTP-IN ou, inclusivamente, em outros partidos comunistas.

AUSÊNCIA INVOLUNTÁRIA

Zé LG Zé LG, 09.11.04
Estive ausente estes dias porque não consegui aceder ao blog. Parece que houve problemas no Sapo. Os meus conhecimentos também não são muitos e talvez, também por isso, não consegui postar.
Espero estar ultrapassada a dificuldade.