Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

Pulido Valente é “cego, surdo e mudo”

… afirma o seu ex-mandatário José Barriga, que esclarece que as razões que o opõem, neste momento, ao presidente do município de Beja, baseiam-se na “não funcionalidade da Câmara de Beja e na forma como Pulido Valente exerce o poder”.

Manuel Castro e Brito recusa “o modelo errado e elitista” levado a cabo, diz verificar uma “grande desorientação na câmara” e acusa o presidente de tentar asfixiar o Parque de Feiras e Exposições.

Manuel Narra garante que “jamais passaria o mandato a incutir na opinião pública que a responsabilidade do incumprimento das promessas eleitorais é dos anteriores executivos”.

Rodeia Machado acusa Pulido Valente de “má-fé” por ter afirmado que os bombeiros ganham mil euros por mês, quando “sabe muito bem quanto ganham”.

Jorge Picado afirma que o presidente da Câmara de Beja revela que “se sente acossado, atormentado com a sua própria incompetência e da equipa que o rodeia no município”.

 

Estas são apenas algumas das reacções à entrevista do presidente da Câmara de Beja, que pode ler aqui.

4 comentários

Comentar post

Comentários recentes

  • Anónimo

    Somos o futuro ahahahahahah

  • Anónimo

    EscOteiros ou EscUteiros?!

  • Zobaida

    O Diário do Alentejo, conforme apresenta no cabeça...

  • Anónimo

    E bumba! Ora toma lá mais regionalização.Numa regi...

  • Anónimo

    Exactamente!"O tempo é o único capital das pessoas...

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.