Alvitrando
Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.
28
Dez 09

Após a entrada em vigor do Tratado de Lisboa, a Comissão Europeia e o patronato europeu consideram que chegou o momento de impor aos Estados-membros, aos trabalhadores e às populações o acelerar do processo de destruição dos direitos sociais e laborais, das conquistas históricas dos trabalhadores e dos povos ao longo do século XX, com a justificação da interdependência, da globalização e da livre concorrência, incluindo das tecnologias, a que chamam a quinta liberdade. Ou seja, querem a imposição das patentes das multinacionais que conseguirem impor-se no mundo do conhecimento e da tecnologia, objectivo que há muito prosseguem em nome da Estratégia de Lisboa, mas que ainda não foi completamente conseguido graças à oposição dos trabalhadores e das correntes progressistas de diferentes países.

Tal como o PCP afirmou em Março de 2000, a Estratégia de Lisboa não criou mais empregos com direitos, não reduziu a pobreza e exclusão social nem aumentou o crescimento económico. O que conseguiu foi abrir caminho a uma maior concentração e centralização capitalistas, através de diversas directivas que facilitaram privatizações de sectores estratégicos da economia e a sua desregulamentação (serviços financeiros, energia, transportes e comunicações), ataques a fatias de serviços públicos essenciais que interessam ao capital em áreas como a saúde, segurança social, educação, cultura, justiça e tudo o que possa dar lucro, para o que já contam com a famigerada directiva Bolkestein.

Simultaneamente, em nome da maior flexibilidade laboral, insistiram na desregulamentação laboral, na dita “ flexigurança” e na proposta de alteração da directiva sobre organização e tempo de trabalho.

O PCP reafirma a sua oposição a estas estratégias e insiste na necessidade de ruptura com estas políticas. Defendemos uma outra Europa de coesão económica e social, respeitadora dos direitos dos trabalhadores e dos povos, que aposte na produção e no emprego com direitos, que promova serviços públicos de qualidade, que respeite o direito soberanos dos povos a escolherem a sua opção em termos de organização económica, social e política, na defesa da paz e da cooperação com os povos de todo o mundo.    

Para ver todo o documento clique aqui.

publicado por Zé LG às 20:22
Agora já é tarde de mais.

Se este documento fosse emanado por um partido forte , enérgico e que tivesse conseguido em devido tempo romper com valores instituídos , sem dúvida meritórios, mas completamente descontextualizados. Teria outra força e seria um factor decisivo para a luta dos trabalhadores.

Agora assim, nem mossa faz.
Marquinhos a 28 de Dezembro de 2009 às 23:37
Dezembro 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
Passaram por cá
Contador de visitas

Desde 15.01.2011
pesquisar neste blog
 
últ. comentários
“Meter a cabeça na areia” é mais fácil pensamento!
Ora aqui está uma excelente ideia.Parece que a per...
Afinal a máquina que o Rocha adquiriu já está a fa...
Tens razão João, agora é mais Flamingos...
Podias era responder às questões que se colocam e ...
Bares de "Flamengo"? Asneira, pois claro.
https://entreasbrumasdamemoria.blogspot.com/2018/0...
Porra até que enfim! Ainda falta a marcação no pav...
Ena tanta gente preocupada que Beja venha a ser no...
É só fumaça.
Desculpe?? Debater com seriedade??Chamando aos out...
Falta assumirmos nós uma atitude pedagógica.
Só há problema quando há teimosa tenacidade “cultu...
Badamerda com o Hitler. E não tenho duvida alguma ...
blogs SAPO