Alvitrando
Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.
20
Dez 09

“ORDINARIAMENTE todos os ministros são inteligentes, escrevem bem, discursam com cortesia e pura dicção, vão a faustosas inaugurações e são excelentes convivas. Porém, são nulos a resolver crises. Não têm a austeridade, nem a concepção nem o instinto político, nem a experiência que faz o ESTADISTA. É assim que há muito tempo em Portugal são regidos os destinos políticos. Política do acaso, política de compadrio, política de expediente. País governado ao acaso, governado por vaidades e interesses, por especlulação e por corrupção, por privilégio e influência de camarilha, será possível conservar a sua independência?”.

Eça de Queiroz, 1867, no jornal “O distrito de Évora”

Recém-formado em direito, Eça de Queiroz vem para Évora ainda em Dezembro de 1866. Aqui dirige e redige, desde o primeiro número publicado em 6 de Janeiro de 1867, o jornal bissemanário “O Distrito de Évora”, periódico de orientação oposicionista. Pede a demissão do cargo em 1 de Agosto do mesmo ano e abandona a cidade.

Isidoro de Machede

 

Roubado do Alentejanando

publicado por Zé LG às 17:04
E contigo também. No tempo de Eça a gente era como tu.
Anónimo a 20 de Dezembro de 2009 às 19:14
Não vou aqui de novo, e abusando da hospitalidade do dono deste blog, tecer outra vez comentários à sua (nova?)faceta de criticar de forma contundente a classe politica e o sistema politico vigente, pondo-se de fora, esquecendo o seu passado de autarca e a sua participação activa no mesmo.
Acrescendo o facto de na administração pública, ser ao nivel das autarquias onde existe muito mais corrupção, negociatas, compadrio, incompetência, laxismo, desperdicio, falta de objectivos e de visão política e dministrativa.

Gostaria era de salientar, que nas próximas dezenas de anos, e decerto não passaremos das primeiras; é este o sistema dito democrático em que queiramos ou não teremos que viver.
E se calhar mais do que o criticar desta maneira, seria importante tentar pressioná-lo no sentido da sua dignificação e compostura.

Assim, porque não salientar que a sua falha número um é sem dúvida a Justiça, que está pelas ruas da amargura. E sem uma justiça igualitária e isenta não se vai a lado nenhum.

Seguida da Educação. Ou seja, se não se apostar nos jovens e na sua formação idónea e correcta, que país e que sociedade iremos ter?
E não é dando e facilitando diplomas ao desbarato que se formam técnicos e cidadãos dignos desses nomes.

Depois, e fico-me por aqui, é preciso que todos tenhamos noção da Coisa Pública. Que a todos pertence, e que não estica de forma a ser desbaratada de forma ignóbil, como está a acontecer. Ao sabor dos designeos eleitoralistas, e desbaratada de tal maneira, que parece penalizar quem trabalha e a produz.

Gostaria por último e se me for permitido, propôr ao dono deste blog, que em vez desta forma truculenta de fazer política. Porque não trazer para aqui os mesmos assuntos, mas de uma forma mais didáctica. Pondo questões por exemplo deste tipo:
Porque é que o governo e alguma oposição está agora tão preocupada com o casamento gay, quando os seus líderes não se casaram eles próprios por oppção de vida?
Ou porque é que quando há situações graves na vida pública e política, aparece sempre a palermice da regionalização do país como panaceia para desviar as atenções? Já que foi referendada e chumbada, e agora bastava fazer uma sondagem para se verificar que voltaria de novo a sê-lo?
Pina a 21 de Dezembro de 2009 às 16:57
O pina gosta de pinanço.
Anónimo a 21 de Dezembro de 2009 às 18:42
Pina:
Estou de acordo consigo quanto à necessidade de nos concentrarmos nas principais questões que afectam o país e são essenciais para o seu desenvolvimento.
Não me ponho de fora mas não ssumo mais responsabilidades do que as que tive. Nunca exerci quaisquer funções a nível central onde as políticas nacionais são decididas.
Não creio que os autarcas sejam, em termos relativos, mais corruptos do que os membros do governo e os deputados.
Julgo que a legalização do casamento gay é apenas uma equiparação de direitos. Quem a defende não tem de optar pelo casamento etero ou homossexual.
~Estou absolutamente em desacordo com o seu entendimento de que a regionalização é uma palermice. Pelo contrário, entendo, pelo que já aqui tenho escrito, que ela constituirá um passo decisivo para o aprofundamento da democracia, uma maior racionalização da administração pública e um desenvolvimento mais equilibrado do país.
Apesar se parecerem mais as nossas discordâncias do que aquilo em que concordamos, acho a sua participação no Alvitrando interessante pela pertinência das questões que aborda, pelo que faça dele a sua casa sempre que entender.
Zé LG a 21 de Dezembro de 2009 às 23:01
Dezembro 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
Passaram por cá
Contador de visitas

Desde 15.01.2011
pesquisar neste blog
 
últ. comentários
“Meter a cabeça na areia” é mais fácil pensamento!
Ora aqui está uma excelente ideia.Parece que a per...
Afinal a máquina que o Rocha adquiriu já está a fa...
Tens razão João, agora é mais Flamingos...
Podias era responder às questões que se colocam e ...
Bares de "Flamengo"? Asneira, pois claro.
https://entreasbrumasdamemoria.blogspot.com/2018/0...
Porra até que enfim! Ainda falta a marcação no pav...
Ena tanta gente preocupada que Beja venha a ser no...
É só fumaça.
Desculpe?? Debater com seriedade??Chamando aos out...
Falta assumirmos nós uma atitude pedagógica.
Só há problema quando há teimosa tenacidade “cultu...
Badamerda com o Hitler. E não tenho duvida alguma ...
blogs SAPO