Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

Listas e candidatos

Nesta fase de apresentação de listas de candidatos, observa-se que algumas pessoas não conseguem resistir à tentação de dizer mal deles, chegando mesmo alguns a utilizar termos menos correctos ou mesmo insinuações, ofensas, injúrias.

Naturalmente que a crítica é livre e deve ser incentivada. Ninguém nem nehuma instituição está acima da crítica. Até porque, se a souberem aproveitar, só têm a ganhar com ela.

Mas maldicência não é crítica. E, por vezes, há pessoas que usam e abusam da maldicência e não são capazes ou não querem fazer uma crítica.

Todos - pessoas singulares ou colectivas, públicas ou privadas -, têm direito ao seu bom nome, até prova em contrário.

Ser candidato a um cargo político, num tempo em que a política e os políticos estão tão mal vistos, nuns casos com razão noutros sem razão, não é um desafio muito aliciante para quem preze o seu bom nome, que não goste de andar nas bocas de toda a gente, acusado de tudo e de mais alguma coisa, tantas vezes por quem não faz a mínima ideia do que é o desmpenho desses cargos, julgado liminarmente na praça pública sem direito a recurso nem à recuperação da sua imagem.

Exige-se que todos os candidatos de todos os partidos sejam os melhores de entre os melhores. Esquece-se que isso nem sempre é possível. Ou porque não existem em quantidade suficiente para compor todas as listas, ou porque não estão disponíveis ou por qualquer outra razão.

Veja-se o caso do Concelho de Alvito. Há quatro anos apresentaram-se às eleições autárquicas quatro candidaturas, com um total de cerca de 300 candidatos, ou seja, cerca de 15% dos eleitores. Como se poderia pretender que todos eles reunissem boas condições para o desempenho das funções para que se candidataram?

São homens e mulheres, jovens, adultos e idosos, que, na sua esmagadora maioria, apenas se disponibilizam para contribuir, dentro das suas possibilidades, para ajudar a fazer um Concelho ou Freguesia melhores. Devem merecer o respeito de todos.

25 comentários

Comentar post

Comentários recentes

  • Anónimo

    Tens toda a razão. Já cá faltava a patetice da com...

  • Anónimo

    Vote no PAN.

  • Anónimo

    Já cá faltava a patetice da habitual comparação co...

  • Anónimo

    alguém pode dizer onde é este lugar?

  • Anónimo

    Concordo a 1000% com M. Frade.Pode-se, rádios, jor...

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.