Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

Iraque, três anos depois da invasão

685destaque-iraque.gif
A 20 de Março de 2003, os EUA e a Grã-Bretanha lideraram um ataque militar contra o Iraque que culminaria com a invasão e ocupação permanente do país. Três anos volvidos, restam poucas dúvidas que as razões invocadas para «legitimar» a guerra não passaram de falsos pretextos, cortinas de fumo para ocultar a pilhagem dos recursos naturais da região, rentabilizando, simultaneamente, a industria de armamento anglo-norte-americana e a especulação bolsista de um punhado de multinacionais.
Os lucros fabulosos acumulados pelas companhias envolvidas na guerra e na «reconstrução», contrastam com a miséria e os crimes a que foram sujeitos milhões de iraquianos.
As torturas, os abusos, as limpezas étnicas, os assassínios selectivos, as armas químicas usadas indiscriminadamente contra civis, são o espelho da brutalidade imperial. Os cadáveres contam-se aos milhares, mas os ocupantes chamam-lhes «danos colaterais», «vítimas do terrorismo».
in Avante!

3 comentários

Comentar post

Comentários recentes

  • Anónimo

    Se eles viessem da margem esquerda, só paravam no ...

  • Anónimo

    O chamado comentário de caca!...Ou "porque no te c...

  • Viriato

    O debate não deve ter ido ao encontro daqueles que...

  • Anónimo

    O conselho consultivo tem existido para cumprir a ...

  • Anónimo

    Depois seria possível a travessia dos elefantes, s...

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.