Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

Alvitrando

Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.

STAL contra "privatização de serviços públicos no concelho de Beja"

Zé LG, 22.06.24

Sem nome (80).pngA Comissão Sindical da Câmara Municipal de Beja do STAL promoveu uma ação de "denúncia contra a privatização de serviços públicos no concelho, ao arrepio dos interesses da população e dos direitos dos trabalhadores",
Osvaldo Rodrigues, do STAL de Beja, refere que "o executivo da Câmara Municipal prepara-se para ceder, a privados, na gestão do cemitério da cidade, tal como já o fez com alguns percursos da limpeza urbana na cidade, bem como da limpeza das instalações municipais, isto em vez de investir no reforço dos serviços municipais, contratando mais trabalhadores para estes sectores, mantendo-os na esfera pública" , o que "acarreta inevitáveis prejuízos para o interesse da população e para os direitos dos trabalhadores, como a realidade se tem encarregado de demonstrar. A privatização dos serviços essenciais – como sucedeu em vários sectores, como os da água, recolha e tratamento de resíduos, e limpeza urbana – tem levado ao aumento das tarifas e à queda da qualidade dos serviços prestados, prejudicando assim as populações e criando desigualdades sociais".

"Defender a Pátria" apresentado em Santo Aleixo da Restauração

Zé LG, 22.06.24

448631553_25749625061348147_7273697526315770653_n.jpgO livro "Defender a Pátria", da autoria de João Espadeiro Ramos, é apresentado no próximo domingo, pelas 11H00, na Casa do Povo de St. Aleixo da Restauração.
Este livro conta a História real de St. Aleixo e a sua importância nas lutas da Restauração, bem como as famílias que se envolveram no "resgate" do seu povo e do território.

“menor tributação sobre o trabalho compensada com receitas do IMI e IRC”

Zé LG, 21.06.24

entrevista_n.jpgO economista e professor de Economia na New York University Luís Cabral defende que “não faz sentido” reduzir o IRC, considerando que “seria melhor” baixar a carga fiscal sobre o trabalho e compensá-la com mais receitas através do IMI, o IRC ou o imposto sobre as sucessões. Assim, não só “aliviava o pagamento das contribuições sociais”, como “as empresas passariam a gastar menos, para ganharem mais”. Para Luís Cabral, “mais importante do que baixar a taxa seria aumentá-la, mas com base num acordo internacional”, porque a “concorrência fiscal” é “o grande problema dos impostos sobre empresas”. Como tal, considera que a taxa mínima de 15% acordada pela OCDE devia ser “superior”, de modo a “combater” países que criam paraísos fiscais, como é o caso da Irlanda, para onde “fogem” muitas empresas.

“não terá de dar satisfações a ninguém e muito menos PAGAR pelo que fez”

Zé LG, 20.06.24

448522702_10226341098694629_7852255366365501615_n (1).jpg«O futuro de António Costa não me interessa. Nunca simpatizei com a figura. ... andamos nesta angústia mediática e diária com o cargo na “corte” da União Europeia. O que me espanta neste romance não é a naturalidade com que a coisa pode acontecer, mas sim o facto de aquela senhora da Procuradoria Geral da República, que há tão pouco tempo o varreu do cargo de primeiro-ministro, baseando-se em coisa nenhuma, não marque umas buscas acompanhadas de uma detenção combinada com as televisões, para a véspera da votação que porá, ou não, António Costa no novo cargo político… mesmo que uma semana depois de ele ser obviamente afastado da corrida, fique evidente que, mais uma vez, se tratou de um capricho da dona Lucília Gago e do seu “comando” de extrema direita que rasteja nos esgotos do Ministério Público e da PGR. A dona Lucília vai permitir uma coisa destas àquele que já vitimou uma vez?» Samuel Quedas, aqui.