Alvitrando
Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.
30
Out 17

210720171649-409-CatarinaMartins.jpg

A coordenadora do Bloco de Esquerda (BE) esteve de visita a uma exploração, situada perto de Beja, onde uma empresa espanhola terá destruído uma ponte romana e quase duas dezenas de sítios arqueológicos assinalados no Plano Director Municipal para plantar 3 mil hectares de amendoal.
A líder do BE falou do Alqueva e da necessidade da água para “haver agricultura, emprego, desenvolvimento”, acrescentando que “o que estamos a assistir é que o terreno está todo a ser ocupado, nomeadamente o melhor terreno agrícola, por culturas intensivas”, que “não criam emprego propriamente na região, ... e têm tido danos a vários níveis, ambientais desde logo”.
Catarina Martins não tem dúvidas “que é preciso novas regras para o ordenamento dos nossos recursos hídricos, porque Portugal precisa de água, tem de a proteger, tem de a saber usar”.

publicado por Zé LG às 08:48
27
Set 17

260920171802-342-pises (1).jpg

A Villa Romana de Pisões recebe hoje, às 17.30 horas, uma sessão pública, que assinala a reabertura ao público deste espaço e que conta com a presença da secretária de Estado da Ciência Tecnologia e Ensino Superior, precedida de uma visita ao sítio arqueológico.

A Universidade de Évora decidiu, embora ainda estejam a decorrer campanhas de estudo, a reabertura ao público deste espaço para visitas, mediante três modalidades: sem marcação, com marcação e para escolas.
A Universidade de Évora revela ainda, que para a realização destas visitas foi recuperado o Centro de Acolhimento e Interpretação, que disponibiliza ao visitante informação sobre o sítio arqueológico e que foi elaborado e sinalizado o percurso a efetuar dentro da Villa Romana de Pisões.

publicado por Zé LG às 12:38
26
Ago 17

240820171713-583-Pises.jpg

Plano de Acção para a Vila Romana de Pisões assenta em três eixos de acção.

Investigação e desenvolvimento, valorização patrimonial e divulgação e formação são as premissas do protocolo assinado ontem pela Câmara de Beja, a Universidade de Évora e a Direcção Regional de Cultura.

Depois da fase de recuperação e da prevista reabertura ao público, está equacionada a criação naquele local de um Campo Experimental para as Arqueociências e Ciências do Património.

João Rocha, presidente da Câmara de Beja, mostrou-se surpreendido pelo trabalho realizado nos últimos meses em Pisões e sublinhou a “firme vontade” da autarquia em valorizar o património do concelho.

O autarca revelou que vão ser também desenvolvidos trabalhos arqueológicos na Praça da Republica.

A Directora Regional de Cultura fala “num novo ciclo” para este Monumento de Interesse Público. Ana Paula Amendoeira considera que o Plano de Acção “cumpre aquilo que é essencial para Pisões”, nomeadamente o seu estudo “sistemático e rigoroso”.

O financiamento do Plano de Acção está a ser alvo de várias candidaturas. Uma delas já foi aprovada, revela Ana Costa Freitas, Reitora da Universidade de Évora. 

Ler e ouvir também em: 

http://www.vozdaplanicie.pt/index.php?go=noticias&id=13079

publicado por Zé LG às 10:12
24
Ago 17

230820171710-670-runas-romanas-pises-peristilo.jpg

O Salão Nobre da Câmara Municipal de Beja recebe, às 10.30 horas, a cerimónia de assinatura de um Protocolo de Colaboração para a Salvaguarda e Gestão da Vila Romana de Pisões.

O documento vai ser assinado pelo Presidente da Câmara Municipal de Beja, Reitora da Universidade de Évora e Directora Regional de Cultura do Alentejo.
A cerimónia inclui também uma sessão de apresentação do projecto de conservação e gestão para Pisões, por Bento Caldeira, da Universidade de Évora.

 

Mais vale do que nunca. Só faltam cinco semanas… Porque não passam a realizar eleições todos os os anos?...

publicado por Zé LG às 08:53
18
Ago 17

 

publicado por Zé LG às 08:49
09
Jul 17

Apelando à paciência dos que já estão fartos e dos que se sentem incomodados com esta masturbação intelectual, insisto nela com a transcrição deste comentário, que considero pertinente:

 

Demolido o depósito, sem apelo nem agravo, as perguntas que se colocam ao avanço do projecto, são: 

1 - mais valias obtidas, face ao custo da obra de demolição?

2- qual a razão para o atraso de 4 anos na conclusão da obra do Centro de Arqueologia e Artes?
3 - já existe projecto estabilizado ou o inicial ainda está em fase de alterações?
4 - como está a execução financeira da candidatura aprovada? Qual o investimento total previsto e qual o acréscimo que se verifica face ao orcamento inicial?
5 - como foi paga a obra de demolição do depósito? Foi utilizada a verba prevista para acompanhamento arqueológico do projecto, na obra da demolição do depósito? 
6 - qual o prazo previsto para a conclusão da obra?
7 - já existe projecto museografico? Quem o conhece? Qual o custo?

Comentário de Alentejo dos pequenitos a 7 de Julho de 2017 às 11:53, AQUI.

publicado por Zé LG às 19:55
22
Jun 17

210620171626-391-recintosdefossos_.jpg

 

publicado por Zé LG às 13:47
20
Jun 17

Arqueologia para todos_flyer_web.jpg

Ver toda a informação AQUI.

publicado por Zé LG às 18:26
07
Jun 17

CartazSerra.jpg

 

publicado por Zé LG às 21:30
23
Mai 17

220520171838-779-Conferncia.jpg

O Projecto Outeiro do Circo associou-se à adpBeja – Associação para a Defesa do Património Cultural da Região de Beja, na organização de um ciclo de conferências dedicado às "Grandes novidades da arqueologia da região de Beja". A primeira realiza-se hoje, na Biblioteca Municipal da cidade e é sobre o tema “A região de Beja na Idade do Ferro”.

Este ciclo é constituído por três sessões centradas nos três grandes períodos cronológicos que revelaram maior quantidade de novos dados na região de Beja, a Idade do Cobre, a Idade do Bronze e a Idade do Ferro.

A primeira conferência está agendada para hoje, às 21:30, para a Biblioteca Municipal de Beja e está a cargo de Ana Margarida Arruda, da UNARQ (Centro de Arqueologia) e Centro de Estudos Clássicos da Universidade de Lisboa, para falar sobre "A região de Beja durante a Idade do Ferro".

publicado por Zé LG às 13:46
28
Jan 17

261020151823-8-CENTRODEARQUEOLOGIA.jpg

Mas, para já, os arqueólogos estão intrigados com a recente descoberta de uma cisterna que veio à luz do dia após a polémica remoção do depósito da água. “Não deixa de ser curioso”, assinala Conceição Lopes, “que mais de dois mil anos antes da construção do equipamento que agora foi demolido já aqui estava um depósito para distribuir água pública à cidade”. Trata-se de “um tanque ao nível da rua” que terá sido construído entre os anos 70 e 30 a.C. e que culminava “com uma espécie de abóbadas que podiam rematar numa grande fonte monumental que dava para a atual rua dos Escudeiros”.

Para além da importância do edifício em si, principalmente ao nível da datação, esta descoberta vem igualmente colocar na ordem do dia da comunidade científica a questão do abastecimento de água à cidade. “Normalmente a água de abastecimento público chegava por intermédio de um aqueduto. Mas Beja não tem esse equipamento, o que nos faz supor que este depósito e outras mães-de-água que poderiam existir nesta zona eram abastecidos recorrendo a poços e à água da chuva”. PB, AQUI

Foto DAQUI.

publicado por Zé LG às 16:24
20
Jan 17

580px_364414848360456647be72.jpg

publicado por Zé LG às 18:00
07
Jan 17

281220161558-925-IdadeBronze.jpg

É realizado neste sábado, o passeio pedestre: “A Idade do Bronze em redor de Beja”. Esta iniciativa é também, o culminar do projeto desenvolvido ao longo de 2016, pela empresa de arqueologia Palimpsesto, em conjunto com a autarquia bejense, intitulado: “12 Lugares, 12 Meses, 12 Histórias – A Idade do Bronze na região de Beja”.

A iniciativa final contempla um passeio urbano pela cidade de Beja que inclui uma visita comentada ao Núcleo Museológico do Museu do Sembrano e termina na Casa da Cultura com a inauguração de uma exposição.

publicado por Zé LG às 00:44
15
Set 16

transferir.jpg

Um museu dedicado ao megalitismo, com mais de 100 peças em exposição e diversas componentes interativas, "abre portas" em Mora, na quinta-feira, na antiga estação ferroviária, após 2,5 milhões de euros de investimento.

megalitismo.jpg

 

Ler notícias também AQUI e AQUI.

publicado por Zé LG às 23:17
11
Set 16

14224948_757379637735612_3537444290555421369_n.jpg

«É impressionante esta "Beja", capital de distrito. Com um tesouro destes à porta; numa cidade que necessita de dinâmicas que quebrem a imobilidade tão bem espelhada nos internacionalmente conhecidos "domingos de beja"; numa cidade com um Instituto Politécnico; com um Turismo Alentejo que deveria ter uma atitude mais proactiva na criação de lógicas de território que trouxessem mais visitantes e mais turismo; numa região que necessita criar polos provocadores de excelência que reflictam outras mais valias e que as ajudem a "vender", estou a falar da pecuária e da agricultura por exemplo, deixa capitular de forma criminosa uma pérola da arqueologia portuguesa. Um sítio cuja valorização seria fonte de atracção para o comércio e para a hotelaria da região. É Beja no seu melhor. Caro Paixão... mexam-se, revoltem-se, criem uma associação de defesa do património que vá para o terreno e comece a trabalhar. Aproveitando a actual Direcção Regional de Cultura, tendo aí na cidade arqueólogos com alguma responsabilidade "política", com gente e instituições que têm muita responsabilidade cívica para forçar mudanças de atitude, com uma instituição "Câmara Municipal" que tem obrigação em provocar mudanças (não pela cor política, mas pelo objecto social que a enforma - para mais nos 40 anos do Poder Local Democrático). Se quiseres uma mãozinha posso ir aí de vez em quando (a título pessoal, claro). Caro Paixão... mais do que um HELP, faz outro post a gritar Pessoal, BORA reconstruir Pisões 2000 anos depois. Como é para começar, posso dar uma ajuda, apesar de estar a mais de 40 quilómetros de distância. Depois do processo despoletar, volto descansado para casa, porque seguramente haverá muito intelectual em Beja para assumir a liderança. Paixão, BORA LÁ!»

Miguel Rego, AQUI

publicado por Zé LG às 14:15
04
Ago 16

030820160943-568-conferenciasOuteiro2016.jpg

As conferências marcadas para 4, 16, 18 e 25 de Agosto, decorrem sempre às 21:30 horas, no Núcleo Museológico da Rua do Sembrano e conta com quatro reconhecidos especialistas em Pré-história recente e Proto-História que vão falar sobre as principais novidades destes períodos surgidas na região de Beja e também noutros territórios vizinhos.

A organização da iniciativa resulta de uma parceria entre a Câmara Municipal de Beja e a empresa de arqueologia Palimpsesto.

publicado por Zé LG às 13:51
27
Jul 16

CARTAZ CONFERENCIA - VISPASCA ANTIGA (1).jpg

publicado por Zé LG às 00:30
14
Jul 16

13346422_10206505753750537_4037652506887216455_n.j

«… se Pisões pertence à UE porque está localizada numa sua propriedade agrícola, a villa romana não pode ser vista apenas como um mero bem fundiário, mas sim como uma importante componente do património histórico e cultural do concelho de Beja, da região e do próprio País. E é aí que deverão entrar, num esforço conjunto, a universidade, a autarquia e a Direção Regional de Cultura, de modo a encontrarem uma solução que recupere, valorize e coloque à disposição de turistas, estudantes e habitantes locais essa verdadeira relíquia da nossa história.»

 

Leia todo o artigo de José Filipe Murteira, publicado no Diário do Alentejo, que esclarece tudo o que se tem passado com Pisões e avança com propostas para que possa desempenhar o importante papel na estratégia de desenvolvimento do concelho e da região de Beja

A foto é actual e da autoria de Mariano Martins, publicada na sua página do Facebook.

 

publicado por Zé LG às 08:55
05
Jul 16

707268.jpg

São de marfim, cabem na palma da mão e têm pormenores delicados, que surpreendem. António Valera, o arqueólogo que dirige as escavações na Herdade dos Perdigões, em Reguengos de Monsaraz, fala com entusiasmo das estatuetas de marfim que ontem apresentou aos jornalistas como "descoberta única" em Portugal.

Com 4500 anos, as 20 esculturas em miniatura (com tamanho entre os 12 e os 15 centímetros), "pelo menos nove das quais muito realistas", começaram a ser encontradas no ano passado, quando os arqueólogos escavavam um fosso onde, depois de cremados, foram depositados vários corpos. Para os investigadores da Era, a empresa que há 15 anos trabalha nos Perdigões, a herdade que a Finagra (actual Esporão S.A.) comprou para plantar vinha, mas que acabou por transformar num campo arqueológico com 16 hectares, encontrar representações humanas de marfim, "com grande qualidade estética e de execução", foi "emocionante", embora não tenha sido uma surpresa completa.

publicado por Zé LG às 13:48
16
Jun 16

13407068_616059381890458_4086495453074679001_n.jpg

publicado por Zé LG às 19:00
Novembro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
25
26
27
28
29
30
Passaram por cá
Contador de visitas

Desde 15.01.2011
pesquisar neste blog
 
últ. comentários
Mandou fazer o tubinho e comprou caixas de Rennie!...
A morte de uma cidade! Só não vê quem não quer!
Já tem um tubo e uma máquina de alcatrão não chega...
os tubinhos foi onde os outros gastaram o dinheiro...
Que boa noticia para os colaboradores da EMAS. Já ...
Já se começa a notar a mão do Eng.º Rui Marreiros....
Em Beja já aconteceu e ê só descer degraus.Nao vee...
Sempre tem a asfaltadeira do Rocha para ir tapando...
Meninos mimados e guerrilhas há em todo o lado, se...
O que se passa aqui e um reflexo de tudo o resto, ...
Tudo bem, mas por favor não misture com o que se p...
Parvoíce é o silêncio de que devia de andar indign...
Querer comparar o que se passa a nível autárquico,...
Pelo menos,já devia ter organizado uma festinha te...
... E assim é esta a forma cordial entre eles que ...
blogs SAPO