Alvitrando
Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.
15
Mar 09

A confiança é um factor determinante para o sucesso. Se é difícil gerá-la mais difícil ainda é mantê-la, o que depende da verdade, da transparência, da responsabilidade, do cumprimento das promessas feitas e da justificação do não cumprimento doutras, do respeito pelos compromissos assumidos e pelas pessoas e pelos adversários, em particular.

O que se está a passar em Portugal é elucidativo de como a confiança não dura sempre e que se perde com mais facilidade do que se ganha. Há um conjunto de aspectos que têm vindo a contribuir para a perda de confiança dos portugueses neste governo e neste primeiro-ministro, que é mais significativa do que as sondagens apontam, porque estas são influenciadas pela falta de alternativas credíveis de poder.

O governo começou logo que tomou posse a abandonar promessas, a fazer o contrário do que prometeu e a responsabilizar os antecessores por isso, tentando fugir às responsabilidades que assumiu.

“Esqueceu” e afrontou as classes e sectores que mais contribuíram para a sua eleição, com políticas que serviram os mesmos de sempre e que não constituem a sua base eleitoral natural, aumentando as desigualdades sociais.

Apresentou-se como o paladino das reformas estruturantes e ou as não conseguiu concretizar, pelo menos em toda a sua extensão, ou com elas não alcançou os objectivos prometidos e, nalguns casos, agravou as situações existentes.

As maiorias absolutas tendem a criar poder absoluto, sem respeito pela opinião diferente, pela crítica e pelas oposições. Os sinais disso mesmo têm vindo a crescer, como são exemplos as últimas prestações do primeiro-ministro na Assembleia da República, as intervenções dos ministros mais políticos como o da Presidência e o dos Assuntos Parlamentares, o clima de medo instalado no país e a falta de debate interno no partido que o suporta.

As apressadas nacionalizações do BPN e do BPP, contrariando afirmações anteriores quer do primeiro-ministro quer do ministro das Finanças, reclamam esclarecimentos que demonstrem que, com tais operações, o governo apenas pretendeu defender os interesses do país e não os de alguns capitalistas, que não querem ver diminuídas as suas fortunas, que engordaram com os “negócios obscuros” e agora ruinosos desses bancos. Esta situação já levou o actual e anteriores Presidentes da República a pronunciarem-se no sentido de que o governo deve falar verdade e esclarecer cabalmente esses processos, sob pena das pessoas se revoltarem.

As contradições nas declarações feitas pelo primeiro-ministro, ministro das Finanças e ministro da Economia sobre a crise e as suas causas e origens, os seus responsáveis, a sua dimensão e as medidas tomadas para o controlo dos seus danos mostram como o governo não assume as suas responsabilidades, não foi capaz de prevê-la e tardou em admiti-la e reagir-lhe e está a tentar aproveitá-la eleitoralmente.

Também alguns “casos” envolvendo José Sócrates, como o dos projectos aprovados de forma inusitadamente célere na Câmara da Guarda, o da sua licenciatura na Universidade Independente, o de um pagamento de cerca de meio milhão de euros não fundamentado à empresa construtora do Aterro Sanitário da Cova da Beira que terá pago luvas a alguns intervenientes no processo e o do rápido licenciamento do Freeport pelo governo já quando estava em gestão nas vésperas das eleições, não têm sido suficientemente esclarecidos para que à opinião pública não restem dúvidas de que tudo foi tratado correcta e legalmente, sem favorecimento próprio e de terceiros.

Estes “casos” e a forma como têm sido tratados por José Sócrates, que os apresenta como uma campanha negra orquestrada, não dizendo por quem, contra si, o seu partido e o seu governo, assumindo o papel de vítima, têm contribuído para acentuar a quebra de confiança que os portugueses mantêm neles.  

Não é, por isso, de admirar que a grande confiança que os portugueses depositaram no PS, em José Sócrates e no seu governo se esteja a esboroar.

Alvito, 18 de Fevereiro de 2009

 

Publicado da Revista Mais Alentejo nº 90.

publicado por Zé LG às 23:14
Março 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
Passaram por cá
Contador de visitas

Desde 15.01.2011
pesquisar neste blog
 
últ. comentários
Sempre tem a asfaltadeira do Rocha para ir tapando...
Meninos mimados e guerrilhas há em todo o lado, se...
O que se passa aqui e um reflexo de tudo o resto, ...
Tudo bem, mas por favor não misture com o que se p...
Parvoíce é o silêncio de que devia de andar indign...
Querer comparar o que se passa a nível autárquico,...
Pelo menos,já devia ter organizado uma festinha te...
... E assim é esta a forma cordial entre eles que ...
Confesso que cada vez ando mais confuso, quantos P...
O Oliveira foi sacudido ainda antes das eleicoes.
Só espero que tem dinheiro para receber não veja i...
O acolhimento politico e pessoal do executivo às i...
Como foi possível proceder a um aumento salarial c...
O vereador que não fazia parte do CA da EMAS é que...
P'ra parceiros até que não se dão mal!
blogs SAPO