Alvitrando
Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.
18
Abr 12

Depois de muita ponderação e de ter adiado esta decisão para não criar quaisquer polémicas no último ciclo eleitoral, decidi renunciar à condição de militante do PCP.

Podia, para tal, invocar as minhas conhecidas divergências nos planos da ideologia, da política, da prática e da organização, designadamente da democracia interna com a Direcção do PCP, que naturalmente também contaram para esta minha decisão. Mas, apesar dessas divergências de sempre, desde que fui admitido como militante, não foram elas que me determinaram a tomar esta decisão.

A “gota de água” foi o desincentivo à militância que fui sentindo desde o XVII Congresso (2004), em que dei a cara afirmando a minha discordância em relação ao funcionamento do Partido. Nessa altura logo, foi assumido por um alto dirigente do Partido que só não era expulso pelos danos que tal decisão provocaria ao Partido. Desde então, para além de convocatórias para reuniões destinadas a aprovar o que já está aprovado e de convites para iniciativas comemorativas do aniversário do Partido e outras, para mais nada tenho sido convocado.

Se o Partido não precisa da minha participação militante, eu também não tenho jeito para “verbo-de-encher” nem para desempenhar o papel de sócio, a quem já nem se dão ao trabalho de cobrar as quotas, tendo de as pagar por multibanco. Por isso remeto-me à minha condição de independente, que julgo ser a que melhor se coaduna com a minha maneira de ser e me permitirá intervir como muito bem entenda, sem me sentir condicionado pela disciplina partidária nem criar quaisquer dificuldades ao PCP.

Quando em Abril de 1975 pedi a minha adesão ao Partido fi-lo com o único interesse de contribuir activamente, na organização com que mais me identifiquei, depois de apreciar as diversas forças políticas então existentes. Nunca pretendi – e nalguns casos recusei -, exercer quaisquer cargos, designadamente públicos. Os que exerci foi por escolha dos organismos competentes do Partido, com a concordância da generalidade dos militantes e depois de vencida a minha relutância inicial. E sempre com o único objectivo de servir – servir o meu Partido, servir as causas em que acredito, servir as populações, servir o nosso Alentejo e o nosso país.

Como já escrevi, considero que tenho as contas saldadas com o Partido. Ele proporcionou-me experiências e vivências que provavelmente não teria tido se não fosse seu militante e eu dei-lhe tudo o que tinha para dar, com sacrifícios da minha vida pessoal. Apesar de ter passado a ser acusado de militante indisciplinado a partir da altura em que tornei públicas as críticas que antes fazia apenas internamente, sempre fui, com excepção desse “crime” de lesa centralismo democrático, um militante disciplinado, que pede meças a alguns dos que o têm acusado do contrário.

Deixo o Partido sem ressentimentos, embora sem esquecer algumas “partes” que me fizeram e os seus protagonistas. Nele continuam muitos companheiros de muitas lutas, acções e actividades e muitos amigos também.

O PCP continua a ser um dos partidos, para não dizer o Partido, com que mais me identifico. Será por isso natural que nos continuemos a encontrar e a partilhar a ambição de contribuirmos para a construção de uma sociedade mais progressista e justa. Mas agora, apenas e quando sentir que devo intervir, sem ser por obrigação e sem quaisquer constrangimentos ou limitações.

Continuarei, como sempre, empenhado no que possa contribuir para a construção de uma verdadeira alternativa de esquerda, que exige a unidade na acção das diversas forças que a constituem, com respeito por cada uma delas. Nestes tempos difíceis que vivemos, em que a direita domina, com a capitulação e o colaboracionismo das forças que se reclamavam da social-democracia, é cada vez mais necessário e urgente encontrar, à esquerda, uma alternativa ao capitalismo, que está mostrar a sua verdadeira essência.

 

Despeço-me com um abraço fraterno

José António do Rosário Lopes Guerreiro

Penedo Gordo, 1 de Janeiro de 2011

publicado por Zé LG às 08:58
O partido comunista esta desde a morte de Cunhal a ser apoderado por boys encaminhados por blocos de interesses de alguns mais velhos que os tem colocado, é conhecido o peso da dorev que no parlamento já senta vários deputados que passaram a frente de outros militantes mais capacitados e com mais anos de partido comunista,e costumo dizer aterragem de Bernardino Soares foi a porta ou janela de boys comunistas que minam todo o resto .
Antonio silvestre a 18 de Abril de 2012 às 21:00
Lopes Guerreiro:

Lamento a tua saída. Sou de opinião que todos somos poucos, nesta fase. Mas respeito a tua decisão. Só não concordo com o titulo do teu post . Eu diria que, tu, deverias dizer ,ATÉ SEMPRE CAMARADAS. Tenho a certeza, que não sendo militante do PCP, continuarás a partilhar os princípios da esquerda e consequentemente dos camaradas do PCP.
Um forte abraço.
João Oliveira
João Oliveira a 19 de Abril de 2012 às 03:10
Principios .... principios ..... tantos principios, tanta conversa bonita .... e depois? Porque não começam a na Assembleia da Républica a mostrar esses principios e exemplos? Porque não propem reduzir para metadade os ordenados dos deputados? Porque não propoem pagarem a água que bebem na Assembleia, como o comum dos mortais? Porque manipulam sindicatos? Porque não propoem a redução das subvençõs de estado nas campanhas politicas? Porque não propoem a redução do nº de deputados nacionais e municipais?
principios .... a 19 de Abril de 2012 às 11:51
Vamos continuar do mesmo lado da "barricada", podes crer.
Um grande abraço!
Zé LG a 19 de Abril de 2012 às 12:34
Camarada (continuarei a tratar-te assim, porque te sinto Camarada):
Lamento (mas não me surpreendo com) a tua decisão. Porque te considero um Homem sério, frontal, que age na sociedade por convicção e desinteressadamente, digno do meu respeito e digno do Partido que continuará a habitar (não tenho dúvidas ao afirmá-lo) o teu coração.
Por isso, não posso deixar de manifestar o meu maior respeito pela tua opção. Sei que continuarás a lutar connosco, pelas causas do Povo, dos Trabalhadores e da Democracia.
Um abraço, Camarada!
Gaitinha a 19 de Abril de 2012 às 12:03
Obrigado pelas tuas sentidas palavras! Espero não te desiludir.
Um grande abraço.
Zé LG a 19 de Abril de 2012 às 12:35
O que o António Silvestre diz da DOREV, aplica-se com toda a propriedade em Beja na DORBE. A concelhia de Beja está impragnada de boys e ditadores. Preparem-se para a lista que vai ser apresentada à Câmara de Beja. Boys (e boyas), ditadores (as) e incompetentes.
Anónimo a 19 de Abril de 2012 às 12:11
Infelizmente a forma de fazer política, pelo PCP, deixou de estar assente no pressuposto do verbo construir, mas assentou arraiais na politiquice de dizer sempre mal de tudo, mesmo que em determinados concelhos, se verifique, que "as gentes" do PCP, fazem aquilo que outros comunistas condenam. É só ir observando. Aliado a este facto, é visível uma cada vez maior "arrogância", que o PCP, vem demonstrando.
Este PCP, há muito que deixou de ser o PCP do nosso povo.
Vem haja.
Anónimo a 19 de Abril de 2012 às 21:59
EMENDA: No comentário anterior onde se lê "Vem haja", deve ler-se, naturalmente "Bem Haja".
Anónimo a 19 de Abril de 2012 às 22:01
Sim... certamente vamos ver no futuro... ex-pcp, porque isso até pode dar muito jeito. A ver vamos se não se confirma a regra!
Anónimo a 20 de Abril de 2012 às 19:54
Transcrevemos parte deste post. Obrigado
Anibal Duarte Corrécio a 21 de Abril de 2012 às 10:50
Abril 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
Passaram por cá
"Contador de visitas">Contador de visitas
Passaram por cá
"Contador de visitas">Contador de visitas
DEZ ANOS ALVITRANDO
10 anos de Blogs do SAPO
mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
últ. comentários
à câmara são imputadas todas as responsabilidades....
Porque é que a Câmara ainda não se manifestou em d...
Sr. Robin:Sabe qual foi a grande aposta ? Foi a de...
Quanto custou a Feira da Água ? Qual o encargo tot...
Ah! Então assim já se justifica? :)
Mentir não vale. São 22 mil euros e não 40 mil.
Já agora, informação importante:Não deixa de ser c...
foi de facto uma grande aposta essa da "prenoita"....
uma mão cheia de nada , sem qualquer pensamento e ...
Ora bem, o projecto rampa é uma candidatura a fund...
Se mal vai a democracia se fosse obrigatorio votar...
Concordo que o voto jamais se deva tornar obrigató...
Também não me agrada. Posso mesmo especular quão ...
independentemente da Paula ou da M. João o que é f...
O projecto da biblioteca andarilha, tem muito que ...
Outras paragens
DEZ ANOS ALVITRANDO
10 anos de Blogs do SAPO
blogs SAPO