Alvitrando
Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.
09
Abr 17

060420171745-966-EMAS_.jpg

A Empresa Municipal de Água e Saneamento de Beja (EMAS) tem em fase de conclusão várias intervenções na rede pública.

Na cidade de Beja está em curso a 1ª fase de remodelação na zona circundante ao Jardim das Alcaçarias, nomeadamente a Rua Tenente Valadim, Rua Sanches de Miranda e parte da Rua Capitão Mouzinho de Albuquerque. O investimento ascende a 224 mil euros.

Na freguesia de Trigaches, está em fase de preparação a remodelação das redes num investimento orçado em 83 mil euros.

Para Mombeja está prevista uma empreitada na ordem dos 86 mil euros.

As intervenções inserem-se no plano estratégico de requalificação global das redes de águas.

Até final do mês de Maio deverão ficar concluídas intervenções de “maior expressão” no Bairro da Esperança, no Bairro Social, no Bairro da Apariça, em Albernoa e Cabeça Gorda, refere Alexandre Leal. O administrador da EMAS assegura que os trabalhos decorrem a “bom ritmo”.

publicado por Zé LG às 18:10
09
Abr 17

Beja recebeu no último fim de semana o III Encontro de Famílias Dravet, uma iniciativa de âmbito nacional que teve a sua primeira edição em 2015, com o objetivo “de promover o convívio entre famílias, o acolhimento aos que ainda não se conheciam e o encontro entre as crianças” com a síndrome rara, classificada como “uma encefalopatia epilética de origem genética, grave, resistente ao tratamento”, que se manifesta no primeiro ano de vida “com o surgimento das primeiras convulsões”. O número de convulsões “pode variar muito de criança para criança e cerca de 15 por cento morrem antes de chegarem à adolescência”.

274.JPG

Neste terceiro encontro, que foi organizado pelas famílias de Beja, foi introduzida a componente de informação/formação, explica ao “Diário do Alentejo” Sofia Monteiro, mãe de um menino com Dravet e uma das organizadoras do evento. “Tivemos palestras com informação atualizada e muito importante para nós”, diz, adiantando que o encontro “correu muito bem”, sendo que estes eventos “implicam uma logística enorme”, como, por exemplo, “hospital e INEM de prevenção” e “um grupo de pessoas com capacidade de reconhecer e lidar com uma convulsão, para acompanhar as crianças nas suas atividades”. O encontro contou com o apoio de várias entidades e voluntários, frisa a organizadora.
A finalizar, Sofia Monteiro salienta que “para além das dificuldades que advêm de uma doença desta natureza que implicam uma vigilância de 24/24 horas, com consequências enormes na qualidade de vida da família”, há outras que estão relacionadas “com a inclusão das pessoas com Dravet na vida diária”: “É preciso que a vida escolar das crianças e jovens com Dravet seja enriquecida; que passem a integrar as turmas às quais pertencem em vez de ficarem remetidos às unidades de apoio à multideficiência; que sejam encarados como pessoas capazes de escolher, de aprender e de se desenvolver; que frequentem campos de férias com os seus pares; que estejam inseridos em atividades desportivas, de lazer e de cultura; que adquiram competências e saberes nas comunidades em que estão e que sejam acolhidos como membros dessa comunidade como efetivamente o são”, diz. 
No distrito de Beja são quatro os casos conhecidos, “três dos quais na cidade, uma frequência demasiado alta para a nossa dimensão”, frisa Sofia Monteiro. “É importante referir que estamos a falar de uma doença rara, com uma incidência estimada de 1/22 000 pessoas”.

NP, in Diário do Alentejo: Foto ZéLG 

publicado por Zé LG às 11:51
09
Abr 17

imgLoader.ashx.jpg

Autarquia avança com Requalificação do Jardim da Horta da Cavalinha, na freguesia de Vila Nova da Baronia

Esta intervenção tem como principal objetivo a arborização e a reconstrução parcial ou total das caldeiras para árvore que compõem o desenho do Jardim.

A arborização apresenta três conceitos, criação de uma zona de sombra periférica, o “preenchimento” interior do jardim através de árvores de folhagem vermelha e o enquadramento do elemento de água (tanque), através de árvores de floração densa.

publicado por Zé LG às 10:40
Abril 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
Passaram por cá
"Contador de visitas">Contador de visitas
pesquisar neste blog
 
últ. comentários
Muito grave. Circula no facebook um texto de revol...
eu até acho que o Partido Ecologista "Os Verdes" p...
A ULSBA tem um técnico ambiental. Porque não solic...
E como é que poderiam falar? Há por acaso algum en...
Estão a ser pensadas e trabalhadas, essas e outras...
@atenta - Curioso. E preocupante. Ninguém fala dis...
Obrigado pela correcção! Já corrigi dois dos erros...
Como se isto e outras más gestões feitas e acompan...
Olha , e não mudou,como refere o anónimo anterior....
E a minha agua este mês duplicou de valor.Pago de ...
Há muito que defendo a integração dos cuidados de ...
Recomendamos a leitura ,por ser recente e se enqua...
ó Sr Lopes Guerreiro...não leve a mal o que vou di...
Então as novidades? Já passou da hora de almoço, e...
Um ratinho de algibeira! 😂😂😂😂😂
blogs SAPO