Alvitrando
Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.
30
Abr 12


Veja o Manifesto aqui e os locais de concentração aqui.
publicado por Zé LG às 23:09
30
Abr 12

Três jovens sentaram-se no chão em protesto, quando passou a comitiva do primeiro-ministro, por esta as impedir de apresentarem o seu espectáculo de dança.

publicado por Zé LG às 20:38
30
Abr 12

publicado por Zé LG às 18:33
30
Abr 12

publicado por Zé LG às 17:25
30
Abr 12

A questão do Parque de Feiras e Exposições é uma questão crónica e o relacionamento da Acos com a Câmara de Beja acerca do Parque de Feiras e exposições tem sido um romance. Sempre houve uma pedra no sapato, não só da Câmara de Beja, mas de outras instituições, e eventualmente até de partidos políticos, por existir uma associação empresarial de agricultores que tem um relevo tão grande nos acontecimentos desta região.

Agora constatamos que a Câmara de Beja também está falida e que não tem possibilidades de satisfazer as suas obrigações na Expobeja. Tem dificuldades em pagar os serviços que a Expobeja lhe presta, tem grandes dificuldades inclusivamente na manutenção de todo o espaço e penso que nós não deveremos deixar cair o Parque de Feiras e Exposições.
A solução passa por a Acos assumir essa responsabilidade, para não deixar cair o Parque. Porque foi a Acos que o criou, não é a Acos que o quer ver arruinado. E portanto estamos disponíveis para assumir essa obrigação.
Porque qualquer dia Beja não tem património. O Museu Regional vai cair, o castelo cairá, enfim… estamos aqui numa situação de emergência onde devemos assumir algumas responsabilidades. A sociedade civil tem a obrigação de assumir algumas responsabilidades em assuntos vitais para Beja e para esta região.

Ler estas e outras declarações de Castro e Brito, em http://da.ambaal.pt/noticias/?id=1706

publicado por Zé LG às 13:50
30
Abr 12

Apesar dos erros cometidos e de críticas e ataques de que tem sido vítima, o Poder Local continua a ser visto como a maior conquista do 25 de Abril que perdura. A transformação dos municípios e freguesias de simples extensões do Poder Central em verdadeiras autarquias, com atribuições próprias, autonomia administrativa e financeira e órgãos eleitos e com competências definidas, criou um forte Poder Local democrático.

Ainda antes da criação do edifício legislativo, que definiu e enquadrou o Poder Local democrático a partir da Constituição da República e o concretizou através de legislação adequada, as Comissões Administrativas, eleitas em Plenários Populares, que integraram muitos homens e mulheres de espírito democrático e capacidades reconhecidos pelas populações, deram, pela sua intervenção empenhada, um forte contributo para a criação das bases desse poder.

Nesse período revolucionário, em que se aprendeu e construiu a democracia, a inexperiência, a falta de preparação e de conhecimentos desses homens e mulheres, foram compensados por uma dedicação sem limites, pelo envolvimento e participação das populações, pela cooperação entre autarcas de diferentes autarquias. Esse espírito prolongou-se ainda por mais uma ou duas décadas, conforme os territórios e as forças políticas, sendo muitas dificuldades ultrapassadas dessa forma com a arte e engenho dos respectivos eleitos, apoiados pelas populações.

Desde então, muita coisa mudou e não creio que tenha sido para melhor para o Poder Local e, principalmente, para as populações. A legislação aplicável às autarquias locais foi-se tornando cada vez mais num labirinto, que dificulta a sua correcta aplicação e facilita práticas menos correctas. A autonomia das autarquias foi sendo posta em causa das mais variadas formas.

O desempenho de funções autárquicas, designadamente as remuneradas, passou a ser visto por muitos como uma carreira política. O aumento das remunerações dos eleitos nem sempre de forma clara, como aconteceu com a atribuição de subsídios de representação, também contribuiu para isso. A dedicação à causa pública, o espírito de serviço e a ligação às populações, a honestidade foram deixando de ser marcas caracterizadoras dos eleitos.

A juntar a tudo isto, a maior informação e formação das pessoas em geral fez com que se tornassem legitimamente mais críticas e exigentes do poder, principalmente do que está mais próximo, por um lado, e, por outro, também foram criadas normas de gestão mais rigorosas, nem sempre suficientemente claras e fáceis de cumprir.

Foi-se criando um caldo de cultura que favoreceu a eleição que quem pretende mais servir-se do que servir, o aparecimento de casos de corrupção, a tomada de decisões facilitadoras da reeleição de quem as toma. A gestão autárquica tornou-se, nalguns casos, excessivamente tecnocrática e distante das pessoas, esquecendo as especificidades do Poder Local.

Muitas autarquias endividaram-se, ultrapassando todos os limites e regras, sem que nem sempre sejam visíveis as boas aplicações do dinheiro. O anúncio de que, no conjunto, as autarquias devem mais de 12 mil milhões de euros – cerca do dobro do valor indicado pela ANMP -, constitui mais uma forte machadada no prestígio do Poder Local e dos seus eleitos. E aqui, como em muitos outros casos, pagam todos pelo incumprimento de alguns, que tinham a obrigação legal de informar do nível de endividamento e ou o não fizeram ou aldrabaram as informações prestadas.

Não é pois de admirar que as autarquias e os seus eleitos já não sejam vistos como pessoas de bem como eram. Para a maioria dos eleitos isto é injusto, porque continuo convencido de que a sua maioria são ainda gente séria, dedicada e preocupada em fazer o melhor pelas suas terras e gentes. É por isso fundamental separar “o trigo do joio”, para que a credibilidade perdida nas autarquias e nos seus eleitos possa ser restaurada, porque isso é também fundamental para o reforço da democracia.

(Penedo Gordo, 26.03.2012)

 

Publicado no nº 110 da revista Mais Alentejo.

publicado por Zé LG às 00:54
29
Abr 12

publicado por Zé LG às 18:33
29
Abr 12

Gostei de facto do programa e sobretudo confesso que alterei a minha visão global sobre a Ovibeja.
Pois passados que foram os primeiros anos, a minha impressão era que esta feira não passava do mesmo, com os já habituais stands, sobretudo de empresas públicas, e as já conhecidas ovelhas, bois, pássaros, etc. E onde apenas se salientavam as Ovinoites, que é como quem diz bebedeiras até à cova, com o espectáculo degradante dos jovens a arrastarem-se pelo chão nos dias seguintes.
Mas desta vez e graças à televisão, reconheço que estava enganado, e que a Ovibeja é sem sombra de dúvida não só a grande feira do Alentejo, como a principal mostra para o país e através da RTP Internacional para o mundo, do que aqui de bom se faz, e do espírito empreender de pessoas anónimas e dedicadas que vão fazendo a diferença, e de que esta feira é uma forma de se projectarem e assim como a região.
Os meus parabéns pelo vosso trabalho, mesmo com chuva e outras intempéries.

Luis D'Cunha, deixado aqui, a 29 de Abril de 2012 às 10:38

publicado por Zé LG às 16:22
29
Abr 12

publicado por Zé LG às 16:03
28
Abr 12

publicado por Zé LG às 23:05
28
Abr 12

Dezenas de pessoas esperam pelo concerto, desta noite, de Tony Carreira há várias horas. Esta fotografia foi tirada às 18h00.

publicado por Zé LG às 20:53
28
Abr 12

Na apresentação do programa da RTP "A Festa é Nossa".

publicado por Zé LG às 19:57
28
Abr 12

... como secretário-geral do PS, numa demorada visita que realizou esta tarde, acompanhado de dirigentes, autarcas e outros quadros do PS.

publicado por Zé LG às 18:51
28
Abr 12

Um grupo de artistas de Beja, vestidos de negro e de velas na mão, marcou presença ontem na reunião da Assembleia Municipal de Beja em protesto pela falta de apoio da Câmara às actividades culturais. Segundo a Rádio Pax "um dos elementos do grupo referiu que a “Câmara de Beja faleceu” devido a “maus-tratos” à cultura e à população".

Também a Voz da Planície se faz eco desta iniciativa dizendo que o protesto começou junto à Câmara Municipal, tendo a polícia sido chamada ao local, e que os elementos do grupo se deslocaram depois, em procissão, para a Biblioteca onde se realizou a reunião da Assembleia Municipal.

Copiado do A Cinco Tons

publicado por Zé LG às 11:50
28
Abr 12

publicado por Zé LG às 10:37
28
Abr 12

O programa da RTP, "A Festa é Nossa", apresentado por Júlio Isidro e Cristina Alves, é emitido esta tarde, a partir das 15 horas, da OVIBEJA. Nele vão participar, como é habitual, inúmeros convidados.

Será certamente uma boa ocasião para serem divulgados os nossos melhores produtos regionais e a própria 29ª OVIBEJA, que decorre, no Parque de Feiras e Exposições de Beja, até ao próximo dia 1 de Maio.

publicado por Zé LG às 09:23
28
Abr 12

publicado por Zé LG às 00:37
27
Abr 12

As medalhas de ouro foram atribuídas à Enoleia – Sociedade Agrícola, Lda, do Entroncamento (frutado maduro); a Ktimata Kyklopas, da Grécia (frutado verde médio) e a Potosi 10 S.A., de Espanha, na categoria de frutado verde intenso.

As medalhas de prata vão ser entregues à Elaia Lagar, da Herdade do Marmelo Ferreira do Alentejo (frutado maduro); à Sovena Portugal (frutado verde médio) e à Sociedade Agrícola Vale do Ouro, S.A., em Ferreira do Alentejo (frutado verde intenso).

Os terceiros lugares – medalha de bronze – foram atribuídos à chilena Agroindustrial y Olivicola Rute del Sol, na categoria de frutado maduro e às espanholas Aroden S.A.T. (frutado verde médio) e Agrícola Roda, na categoria de frutado verde intenso.

Contribuir para a promoção da qualidade do azeite nacional e promover os nossos azeites além-fronteiras é um dos principais objectivos dos organizadores do Concurso Prémio Ovibeja. Embora esta seja ainda a II edição, o painel de provadores foi unânime quanto à elevada qualidade dos azeites presentes a concurso, os quais podem ser provados pelos visitantes da Ovibeja, no Pavilhão “Vinhos & Azeites”, até ao próximo dia 1 de Maio.

Ver mais em: http://www.ovibeja.com/notaimprensa.php?id=159

publicado por Zé LG às 23:42
27
Abr 12

Imagem da sessão de abertura, presidida pelo secretário de Estado Adjunto do primeiro-ministro, o bejense Carlos Moedas, que ficou marcada pela troca de elogios entre este e o presidente da ACOS e da OVIBEJA, Castro e Brito

publicado por Zé LG às 22:16
27
Abr 12

Ver em: http://www.cm-estremoz.pt/index.php?pa=422&lang=1

publicado por Zé LG às 22:09
Abril 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
Passaram por cá
"Contador de visitas">Contador de visitas
pesquisar neste blog
 
últ. comentários
E falem das pedreiras do presidente
Os comunas não querem desenvolvimento? Então tente...
Então afinal? Antes era porque eram empresas do no...
Cegueira política??? Ahahahah cegueira política te...
Não tenho nada a ver com política, e comento o seu...
Ah pois..o mal é esse..eles estão sempre a ver se ...
Há pessoas mesmo ridículas e ignorantes.Ainda rela...
Parece que está aos altos e baixos e torta...lá te...
Mais de 200 famílias? Onde dormem essas 200 famíli...
E os q n podem comprar essas casa ou alugar outras...
Não fiquei nervosos, vamos quem sai à rua de cabeç...
Que comentário mais nojento. Isto só revela o níve...
Esta pré-campanha está cá com uma "sustância"!...
Falta de habitação??? Então os prédios que param a...
E antes do Rocha sempre houve avtividades no Verão...
blogs SAPO