Alvitrando
Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.
13
Jun 11

Saiba tudo em www.campopatrimonio.com ou na nossa página do Facebook.

publicado por Zé LG às 17:54
13
Jun 11

Consulte aqui.

publicado por Zé LG às 13:50
13
Jun 11

Tornou-se frequente – para alguns, quase obrigatório -, o afastamento da política activa (pelo memos, como a vinham a praticar) dos que são derrotados em eleições.

Acontece, quase sempre, com os presidentes de câmaras que se recandidatam e são derrotados. Acontece (sempre?) com os primeiros-ministros que são derrotados quando se recandidatam. E o mesmo acontece, embora com menos frequência, com líderes de partidos que não alcançam os objectivos a que se propuseram.

Sempre tive dúvidas quanto à correcção deste tipo de decisões, porque em democracia existem governos e oposições, vitórias e derrotas.

A não ser que a derrota não seja assumida colectivamente pela força política derrotada ou que o líder se tenha candidatado contra a vontade ou orientação do seu partido não me parece que faça sentido o seu abandono, por decisão pessoal e logo após a derrota.

Quanto tal acontece, mais do que assumir-se como principal responsável pela derrota, parece-me que tal decisão pessoal significa o contrário, ou seja, a não assunção da sua responsabilidade e a responsabilização do seu partido pelo fracasso eleitoral e a fuga às responsabilidades da situação em que deixa o partido ou o seu substituto e demais equipa ou colectivo.

Ao contrário do que fazem, acho que os derrotados só deveriam abandonar se e quando fosse manifestada essa vontade pelos partidos ou equipas que lideram. Parece-me ser essa a forma mais respeitadora da democracia.

Foi assim que procedi quando me vi numa situação dessas.

Vem tudo isto a propósito que do escrevi aqui e do que tem sido escrito por outros acerca do abandono de José Sócrates e do seu discurso “de despedida”.

E mais não escrevo porque não quero provocar mais enjoos ao H.

publicado por Zé LG às 08:56
13
Jun 11

publicado por Zé LG às 00:21
Junho 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
Passaram por cá
Contador de visitas

Desde 15.01.2011
pesquisar neste blog
 
últ. comentários
Não abundam por aí alavancas dessas...
Já esperei demasiado tempo. Ou se explica ou parti...
...feira de castro, feira de castro levo as bordas...
L.G.:Não foi por causa do decrépito depósito da ág...
Tanto fel ou será ressabiamento de quem não deixou...
Ao triste anónimo das 13:49h. Ou nao me conhece ou...
Não é só a voz do Dr.Frade que se silencia.O silên...
Em Beja, só não fecham três tipos de empresas: caf...
Mal entendido essa Joia da coroa?Esse oportunista ...
É o que dá apostar no cavalo errado. lool
Não se faça de mal-entendido.
Mas qual vingança qual quê? Eu sou lá de vinganças...
O Dr. Frade retirou-se da arena política, será por...
É um nojo ver que os “novos” herdam as vinganças d...
Dá-lhe gozo colaborar com a vingança?
blogs SAPO