Alvitrando
Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.
13
Jun 11

Saiba tudo em www.campopatrimonio.com ou na nossa página do Facebook.

publicado por Zé LG às 17:54
13
Jun 11

Consulte aqui.

publicado por Zé LG às 13:50
13
Jun 11

Tornou-se frequente – para alguns, quase obrigatório -, o afastamento da política activa (pelo memos, como a vinham a praticar) dos que são derrotados em eleições.

Acontece, quase sempre, com os presidentes de câmaras que se recandidatam e são derrotados. Acontece (sempre?) com os primeiros-ministros que são derrotados quando se recandidatam. E o mesmo acontece, embora com menos frequência, com líderes de partidos que não alcançam os objectivos a que se propuseram.

Sempre tive dúvidas quanto à correcção deste tipo de decisões, porque em democracia existem governos e oposições, vitórias e derrotas.

A não ser que a derrota não seja assumida colectivamente pela força política derrotada ou que o líder se tenha candidatado contra a vontade ou orientação do seu partido não me parece que faça sentido o seu abandono, por decisão pessoal e logo após a derrota.

Quanto tal acontece, mais do que assumir-se como principal responsável pela derrota, parece-me que tal decisão pessoal significa o contrário, ou seja, a não assunção da sua responsabilidade e a responsabilização do seu partido pelo fracasso eleitoral e a fuga às responsabilidades da situação em que deixa o partido ou o seu substituto e demais equipa ou colectivo.

Ao contrário do que fazem, acho que os derrotados só deveriam abandonar se e quando fosse manifestada essa vontade pelos partidos ou equipas que lideram. Parece-me ser essa a forma mais respeitadora da democracia.

Foi assim que procedi quando me vi numa situação dessas.

Vem tudo isto a propósito que do escrevi aqui e do que tem sido escrito por outros acerca do abandono de José Sócrates e do seu discurso “de despedida”.

E mais não escrevo porque não quero provocar mais enjoos ao H.

publicado por Zé LG às 08:56
13
Jun 11

publicado por Zé LG às 00:21
Junho 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
Passaram por cá
"Contador de visitas">Contador de visitas
pesquisar neste blog
 
últ. comentários
O DA está ao nível dos melhores jornais que há no ...
O local onde se nasceu como contraponto ao que se ...
O sr.tadeu nao responde porque além de saber que é...
Este tipo de comentário é um exemplo do que se cha...
Não gosto do novo grafismo do DA.
Desmobilizados de Figueiró dos Vinhos, quando aind...
Não é o local de nascimento que determina de onde ...
Este tipo de comentário, é um exemplo do que se ch...
Mas os " verdes" existem onde? Só se for na cab...
As meninas que estão de novo na cruz vermelha não ...
@bejense - na mouche!
Afinal parece que alguém entendeu o Ser Beja. Obri...
Ser Beja, é ter como bandeira a cidade e os que cá...
A Casa da Cultura esteve à pinha!! Foi um espaço p...
Bom dia. Dizer que o João Rocha anda por cá há 40 ...
blogs SAPO