Alvitrando
Aqui se dão alvíssaras e trocam ideias sobre temas gerais, o Alentejo e o poder local, e vou dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que achar que devem ser divulgados por esta via.
27
Jan 04

Voltemos à poesia de Raul de Carvalho:

Perdoei agravos
Perdoei agruras.
Esqueci algemas,
Esqueci torturas.
Cravos, açucenas,
Luzes das alturas,
Se vivo esquecendo
Minhas desventuras,
Porque não me dais
Tuas vidas puras
E me renegais
E me dais tristuras
Em vez de alegrias
publicado por Zé LG às 23:05
24
Jan 04

O saudoso Adriano Correia de Oliveira, ao musicar este belo poema de Raul de Carvalho, contribuiu para tornar quase mítica a histórica e muito bela vila de Alvito:

A vila de Alvito
tem ruas e praças
homens e mulheres
e muitas desgraças.
A vila de Alvito
tem dois lavradores.
Tem muita riqueza
e raros amores.
A vila de Alvito
Tem uma cruz ao lado -
Quem manda na vila
não lhe dá cuidado
Maltezes, ganhões,
sangue misturado.
Na vila de Alvito
é que eu fui cuidado.

Hoje há dois autarcas que mandam na vila de Alvito e que não lhe dão cuidado...
Raul de Carvalho merece ter o seu nome na nova biblioteca municipal.
publicado por Zé LG às 23:07
23
Jan 04

É uma tristeza integrar uma câmara municipal que rejeita o nome de um dos mais importantes poetas portugueses da segunda metade do século passado, que integra a História da Literatura Portuguesa, de António José Saraiva e Óscar Lopes, o Dicionário de Literatura, dirigido por Jacinto Prado Coelho, ou as Líricas Portuguesas, organizadas por Jorge Sena, que ganhou o Prémio Simon Bolívar, em Siena em 1955, para a nova biblioteca municipal.
Só a mais completa cegueira política pode explicar por que o nome do poeta alvitense Raul de Carvalho não foi atribuído à nova biblioteca municipal.
Depois de perseguido em vida, quem manda na sua terra continua a persegui-lo depois de morto.
"Raul de Carvalho fez por Alvito algo que não está a nenhum dos que hoje têm poder de decisão: transformou-a numa vila mítica, elevou-a a um categoria estética, transformou-a em bem simbólico. Nâo precisou de viver em Alvito para imortalizar Alvito. Dar o seu nome à biblioteca, seria uma forma simples de retribuir, como escreveu Luísa Leal, autora da obra "A Construção do Sujeito na Poesia de Raul de Carvalho". O presidente da Câmara preferiu pagar-lhe com a vingança do esquecimento.
É miopia, é mesquinhez, é sectarismo, é um acto digno da Inquisição,... O tempo fará justiça!
publicado por Zé LG às 18:25
14
Jan 04

ALVITRANDO porquê? - porque alvitrar significa que se dão alvíssaras e eu quero dar alvíssaras, isto é, agradecer a quem quiser dar notícias, a quem quiser comunicar, a quem quiser trocar ideias sobre temas gerais e, em especial, sobre o Alentejo e o poder local.
Pela minha parte, irei dando notícias das minhas reflexões sobre temas da actualidade e de acontecimentos que, pela sua pertinência ou oportunidade, achar que devem ser divulgados por esta via, que hoje decidi abrir.
publicado por Zé LG às 23:25
Janeiro 2004
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
15
16
17
18
19
20
21
22
25
26
28
29
30
31
Passaram por cá
Contador de visitas

Desde 15.01.2011
pesquisar neste blog
 
últ. comentários
Venham como são os dirigentes deste Pais.Que vergo...
Hum? Não percebi pq colocou este seu comentário em...
Pergunta de quizz!alguém arrisca o nome da próxima...
Sobre eleições, desta feita na Alemanha: muito pre...
Não posso discordar mais de si neste episódio, Vit...
A central de alcatrão vai resolver isso.
E a estrada da Mina da Juliana parece um caminho d...
E a minha rua sem alcatrão
E gostou do que disse o Costa sobre os comboios pa...
Nem como confundi-las :)
Um homem é o resultado do conjunto das suas ações,...
Manda o bom senso que para não suscitar dúvidas e ...
Mas qual vitimizar qual quê, mas eu preciso lá dis...
Bonita festa! Tantas centenas de pessoas com o com...
Vitimiza-te agora para encobrires a monumental asn...
blogs SAPO